Gilead Science prepara expansão mundial da produção de remdesivir

8 de Maio 2020

A GIlead está a trabalhar, "com rapidez, cuidado e diligência", desde janeiro,  para se preparar para a possibilidade de o remdesivir, o antivírico de investigação da empresa, poder ser considerado eficaz contra o vírus que causa a COVID-19

Em comunicado, a Biofarmacêutica  Gilead Sciences informa que está a trabalhar, “com rapidez, cuidado e diligência”, desde janeiro,  para se preparar para a possibilidade de o remdesivir, o antivírico de investigação da empresa, poder ser considerado eficaz contra o vírus que causa a COVID-19.

Os resultados de ensaios clínicos recentes e a decisão da U.S. Food & Drug Administration de emitir uma Autorização de Utilização de Emergência para o remdesivir, realçaram a urgência deste trabalho e a importância de planear o acesso ao remdesivir a nível global.

Na mesma nota, a Gilead refere ser seu objetivo global tornar o remdesivir disponível e acessível aos governos e doentes em todo o mundo, quando autorizado pelas autoridades regulamentares. Dadas as necessidades urgentes dos doentes a nível global, a empresa desenvolveu uma estratégia de maximização do acesso ao remdesivir.

Desde logo, explica a companhia, a Gilead está em conversações com algumas das principais empresas químicas e farmacêuticas mundiais sobre a sua capacidade, de produzir remdesivir para a Europa, Ásia e países em desenvolvimento até, pelo menos, 2022. A empresa está também a negociar licenças a longo prazo com vários fabricantes de medicamentos na Índia e no Paquistão para produzir remdesivir para países em desenvolvimento. No comunicado, a Gilead compromete-se em  providenciar as transferências de tecnologia adequadas para possibilitar esta produção. Por último, a empresa está em conversações ativas com a “Medicines Patent Pool”, com a qual a Gilead tem uma parceria de muitos anos, para licenciar o remdesivir para os países em desenvolvimento.

Para facilitar ainda mais o acesso nos países em desenvolvimento durante esta grave crise sanitária, a Gilead está em discussões avançadas com a UNICEF para utilizar a sua vasta experiência no fornecimento de medicamentos a países de baixo e médio rendimento durante crises de emergência e humanitárias, no sentido de fornecer remdesivir utilizando redes de distribuição já bem estabelecidas.

A estreita coordenação no fabrico de remdesivir será fundamental. Por isso, informa a Gilead no comunicado, a Gilead está a trabalhar na criação de um consórcio de parceiros de produção – com o objetivo de congregar esforços para ajudar a maximizar a oferta global. A produção do remdesivir requer matérias-primas escassas, com tempo de produção específico, capacidades de produção especializadas e com capacidade global limitada. Qualquer perturbação na cadeia de abastecimento que afete a disponibilização destas matérias-primas escassas e outros fatores de produção, poderá reduzir a quantidade de remdesivir produzido e aumentar o tempo necessário para o fabricar.

A terminar, Gilead endereça um agradecimento a todos os colaboradores das agências e organizações de saúde em todo o mundo pelos valiosos contributos e conhecimentos, que ajudaram a orientar a estratégia da empresa. A empresa espera manter os seus parceiros e o público em geral informados à medida que os programas avançam.

Press/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

ULS de Braga celebra protocolo com Fundação Infantil Ronald McDonald

A ULS de Braga e a Fundação Infantil Ronald McDonald assinaram ontem um protocolo de colaboração com o objetivo dar início à oferta de Kits de Acolhimento Hospitalar da Fundação Infantil Ronald McDonald aos pais e acompanhantes de crianças internadas nos serviços do Hospital de Braga.

DE-SNS mantém silêncio perante ultimato da ministra

Após o Jornal Expresso ter noticiado que Ana Paula Martins deu 60 dias à Direção Executiva do SNS (DE-SNS) para entregar um relatório sobre as mudanças em curso, o HealthNews esclareceu junto do Ministério da Saúde algumas dúvidas sobre o despacho emitido esta semana. A Direção Executiva, para já, não faz comentários.

FNAM lança aviso a tutela: “Não queremos jogos de bastidores nem negociatas obscuras”

A Federação Nacional dos Médicos (FNAM) disse esta sexta-feira esperar que, na próxima reunião com o Ministério da Saúde, “haja abertura para celebrar um protocolo negocial”. Em declarações ao HealthNews, Joana Bordalo e Sá deixou um alerta à ministra: ” Não queremos jogos de bastidores na mesa negocial. Não queremos negociatas obscuras.”

SNE saúda pedido de relatório sobre mudanças implementadas na Saúde

O Sindicato Nacional dos Enfermeiros (SNE) afirmou, esta sexta-feira, que vê com “bons olhos” o despacho, emitido pela ministra da Saúde, que solicita à Direção-Executiva do Serviço Nacional de Saúde (DE-SNS) um relatório do estado atual das mudanças implementadas desde o início de atividade da entidade.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights