Dados sobre drogas, álcool e jogo entre jovens podem sinalizar dependências futuras – SICAD

12 de Maio 2020

Os números revelam descidas nos consumos de álcool, drogas e tabaco nos jovens entre os 13 e os 18 anos, ainda assim os resultados “são maus” e podem significar dependências “num futuro próximo”, defendeu o subdiretor-geral do SICAD.

A análise do subdiretor-geral do Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências (SICAD), Manuel Cardoso, e que o próprio classificou como “desmancha-prazeres” surgiu hoje em contracorrente ao tom mais otimista com que os participantes da apresentação virtual do Estudo sobre o Consumo de Álcool, Tabaco, Drogas e outros Comportamentos Aditivos e Dependências (ECATD-CAD) foram olhando para os resultados que revelam alguma estagnação nos dados face ao último estudo realizado, em 2015.

“Genericamente, e olhando para as tendências, os dados são maus”, disse Manuel Cardoso, deixando um alerta a pais, educadores, reguladores e agentes de fiscalização, mas também decisores políticos.

“Com estes resultados estamos a garantir que num futuro próximo teremos seguramente mais jogadores patológicos e dependência de jogo, não conseguiremos reduzir a dependência de drogas nem o número de mortes por overdose, teremos uma das mais altas taxas de doenças não transmissíveis e continuaremos com uma das menores esperanças de vida de anos com saúde e estaremos nos primeiros lugares mundiais, se não no primeiro, de consumo per capita de álcool e de problemas ligados ao álcool, incluindo mortes por intoxicação alcoólica”, disse.

Um em cada 10 alunos consumiu, no último ano, bebidas alcoólicas, tabaco e drogas ilícitas.

Quando Manuel Cardoso defendeu que é preciso “fazer muito melhor do que isto”, João Goulão, diretor do SICAD, concordou.

“Acho que todos estamos de facto preocupados e não nos podemos comprazer com o facto de as coisas estarem paradas a níveis que ainda são preocupantes. Isto desafia-nos e interpela-nos a todos para fazermos mais e melhor”, disse referindo o desafio que se coloca ao SICAD é ter agora um “espetro de intervenção” mais alargado.

O ECATD-CAD, cujos dados preliminares foram hoje apresentados, é representativo dos alunos do ensino público entre os 13 e os 18 anos (26.319 alunos de 734 escolas) e é feito de quatro em quatro anos.

Os alunos dizem em grande percentagem que é fácil o acesso a álcool e tabaco e que estes dois produtos são não só os mais consumidos como aqueles cujo consumo se inicia mais precocemente.

João Goulão mencionou a responsabilidade nesta matéria de quem fiscaliza e Manuel Cardoso, no caso do álcool, defendeu que é necessário aumentar impostos para baixar consumos.

“Constata-se aqui que há venda de álcool a menores ou que há disponibilidade de álcool a pessoas que não têm idade suficiente e o mesmo em relação ao tabaco. A par do esforço preventivo que é um desafio para todos nós, e em particular para os serviços da saúde e da educação, há aqui desafios que são colocados às entidades que têm a responsabilidade de fiscalizar essa venda. Inquestionavelmente essa fiscalização tem que ser mais efetiva”, disse o diretor do SICAD.

Já Manuel Cardoso referiu que o aumento do imposto sobre bebidas alcoólicas, que não sofre atualizações “há dois ou três anos”, é uma questão “em cima da mesa” para “discutir com a tutela”.

“Seguramente, vai ter que ser implementada mais tarde ou mais cedo”, disse, concluindo ainda sobre a facilidade de acesso que “menor preço, maior consumo, principalmente para os mais novos”.

O álcool é a principal substância psicoativa consumida pelos jovens alunos, seguido do tabaco, segundo o estudo que adianta também os comportamentos de maior risco são limitados a uma minoria.

João Goulão defendeu também que a responsabilidade de uma fiscalização efetiva se estende ao jogo, mencionando o caso do Placard, um jogo social de apostas desportivas com idade mínima de acesso.

“Isso parece ser claramente contornado pelos próprios jovens e a fiscalização também tem uma palavra a dizer aqui”, disse.

Manuel Cardoso referiu a questão da publicidade ao jogo online e o esforço para que fosse banida ou pelo menos restringida numa fase de maior permanência em casa devido à pandemia de covid-19, ficando ausente da programação televisiva entre as 07:00 e as 22:30, o período já aplicado para exclusão de publicada a álcool.

“O que eu percebia é que às 22:31 caíam uma série de spots publicitários [de casinos online], referiu.

Sobre o consumo de drogas, João Goulão mostrou-se surpreendido pela positiva com a redução do consumo de canábis entre os mais jovens, algo que considerou inesperado.

“Eu estava à espera, e não tenho rebuço nenhum em assumi-lo, que o consumo da canábis  entre os jovens estivesse a subir por força das discussões em torno da legalização da canábis, num primeiro momento para fins medicinais e depois alguma insistência na questão da legalização para uso recreativo, levando a uma previsível ou suposta assunção da inocuidade dos produtos de canábis. Apesar de tudo, estes resultados, no que diz respeito a essa variáveis, a mim surpreendem-me pela positiva”, disse.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

IPG acolhe polo do Centro de Envelhecimento Ativo

O Instituto Politécnico da Guarda (IPG) vai acolher um polo do Centro de Competências de Envelhecimento Ativo, que irá desenvolver atividades para criar melhores condições de vida aos idosos da região.

UC integra estudo mundial sobre aumento da obesidade

Mais de um bilião de pessoas vivem atualmente com obesidade no mundo, segundo um estudo internacional em que participaram investigadores da Universidade de Coimbra (UC), divulgou a instituição.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights