Estudo associa consumo elevado de álcool a risco aumentado de AVC

14 de Maio 2020

Através de um estudo genético, investigadores do Instituto Karolinska, em Estocolmo, descobriram que quanto mais elevado é o consumo de álcool maiores são os riscos de derrame e de doença arterial periférica

Os estudos que usam a análise genética não se baseiam em dados observacionais, que geralmente usam dados auto-relatados e podem estar sujeitos a fatores de risco que não são referidos. A investigação foi publicada no jornal “Circulation: Genomic and Precision Medicine”, da American Heart Association.

Embora estudos observacionais anteriores tenham mostrado consistentemente que o consumo excessivo de álcool está associado a um risco aumentado de certas doenças cardiovasculares, costumam usar dados auto-relatados e são incapazes de determinar a causa. Neste estudo, os investigadores usaram uma técnica diferente, denominada “randomização mendeliana”, que identifica variantes genéticas com uma associação conhecida a potenciais fatores de risco, para determinar o grau potencial de risco da doença.

“Como as variantes genéticas são determinadas na conceção e não podem ser afetadas por fatores ambientais subsequentes, esta técnica permite-nos determinar melhor se um fator de risco – neste caso, o consumo excessivo de álcool – é a causa de uma doença ou se está simplesmente associado”, referiu Susanna Larsson, investigadora sénior e professora associada de epidemiologia cardiovascular e nutricional no Instituto Karolinska. “Pelo que sabemos, este é o primeiro estudo de randomização mendeliano sobre o consumo de álcool e várias doenças cardiovasculares”.

Os investigadores analisaram os dados genéticos de vários consórcios de grande escala e do Biobank do Reino Unido, que monitorizam a saúde e o bem-estar de 500.000 residentes no Reino Unido. Os resultados indicam que um maior consumo de álcool triplica o risco de doença arterial periférica e aumenta em 27% a probabilidade de ocorrer um acidente vascular periférico”.
“O excessivo consumo de álcool é uma causa conhecida de morte e invalidez, mas ainda não tinha sido esclarecido se o consumo de álcool também é causa de doenças cardiovasculares. Considerando que muitas pessoas consomem álcool regularmente, é importante separar riscos ou benefícios ”, disse Larsson.

Os investigadores sugerem que a pressão arterial pode ser o mecanismo associado ao elevado risco de derrame e de doença arterial periférica. A American Heart Association defende que a ingestão de álcool pode ser um componente de uma dieta saudável se for consumido com moderação (não mais do que uma bebida alcoólica por dia para as mulheres e duas para os homens) mas desaconselha o consumo a gestantes e adultos sempre que haja problemas de saúde conhecidos, possibilidade de interação entre medicamentos e álcool, questões de segurança ou profissionais.

O estudo tem algumas limitações. Segundo o Dr. Larsson, a prevalência do consumo excessivo de bebidas alcoólicas no Biobank do Reino Unido era baixa e é improvável que o ónus do aumento do risco de doenças cardiovasculares seja restrito apenas aos grandes consumidores de álcool. Além disso, a quantidade exata e a frequência de álcool consumido não puderam ser quantificadas neste estudo. Os investigadores referem que o papel causal do consumo de álcool noutras doenças cardiovasculares, para além do AVC e da doença arterial periférica, requer mais pesquisas.

Instituto Karolinska/AO

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

APDI dedica mês de maio à consciencialização para a Doença Inflamatória do Intestino (DII)

A APDI – Associação Portuguesa da Doença Inflamatória do Intestino, colite ulcerosa, doença de Crohn está a dedicar, mais uma vez, o mês de maio à consciencialização para a Doença Inflamatória do Intestino (DII) seguindo as indicações da EFFCA – Federação Europeia das  Associações de Doença de Crohn e Colite Ulcerosa que neste ano de 2024 escolheu como mote “A  DII não tem fronteiras”.

Nuno Jacinto: “A Medicina Geral e Familiar tem um papel central em todos os sistemas de saúde”

O presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (APMGF) reforçou a importância da especialidade na promoção da saúde e prevenção da doença. No âmbito do Dia Mundial do Médico de Família, Nuno Jacinto falou ao HealthNews sobre os constragimentos que estes profissionais de saúde enfrentam e dos desafios que os cuidados de saúde primários enfrentam em Portugal.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights