Novos dados sobre a resposta imunitária no Covid-19

22 de Maio 2020

O sistema imunitário humano reage a mais do que apenas à proteína viral em que os investigadores se têm concentrado até à data. Um facto que poderá ser relevante para o desenvolvimento de testes e de potenciais vacinas.

Equipas de investigação da Ruhr-Universität Bochum (RUB) e do Hospital Universitário de Essen identificaram as partes do vírus Sars-Cov-2 às quais o sistema imunitário humano reage: além da proteína spike, que tem sido o foco até agora, duas outras proteínas podem também desencadear uma forte resposta imunitária. Esta descoberta é relevante para o desenvolvimento de testes de diagnóstico e vacinas. “Não devemos concentrar-nos exclusivamente na proteína do pico”, diz a investigadora principal do estudo, a Professora Nina Babel, do Centro de Medicina Translacional do Hospital de Marien Herne, o hospital universitário da RUB. O estudo, que está atualmente a ser revisto por peritos independentes, está disponível online num servidor de pré-publicação.

Abordagens baseadas em experiências com Sars e Mers

O nosso sistema imunitário pode reagir a componentes de vírus, produzindo anticorpos ou células imunitárias específicas. “Consequentemente, a identificação destes componentes desempenha um papel crucial tanto para a prova de imunidade como para o desenvolvimento de vacinas”, diz o Professor Oliver Witzke, do Hospital Universitário de Essen. Até agora, os investigadores concentraram-se na chamada proteína spike, uma proteína que é importante para a entrada do vírus Sars-Cov2 nas células de um doente infetado. Esta abordagem baseia-se em descobertas de epidemias anteriores de vírus corona de 2002/2003 e 2012, ou seja, Sars e Mers.

São possíveis respostas imunitárias muito diferentes

Contudo, os investigadores das duas universidades do Ruhr mostraram agora que duas outras proteínas estruturais do vírus, as chamadas proteínas da membrana e do Nucleocapsídeo, podem também desencadear uma forte resposta imunitária. Um estudo envolvendo mais de 30 pacientes com infeção por Covid-19 mostra que podem ocorrer respostas imunitárias muito diferentes. “Enquanto alguns pacientes desenvolveram principalmente uma resposta imunitária contra a proteína “spike’ (proteína de espigão), utilizada pelo vírus para infetar células humanas, a mesma proteína desempenhou apenas um papel menor noutros”, explica o Professor Ulf Dittmer, Director do Instituto de Virologia do Hospital Universitário de Essen. “Curiosamente, a resposta imunitária mais forte, em média, foi desencadeada pela proteína da membrana, e não pela proteína de “espigão”, diz o Professor Timm Westhoff, do Hospital de Marien Herne.

“Embora a prova final do efeito antiviral das células imunitárias identificadas ainda esteja pendente, a caracterização detalhada aponta para o seu potencial protetor”, acrescenta Nina Babel. “Ao desenvolver testes e vacinas, não devemos, portanto, concentrar-nos apenas na proteína spike, como tem sido o caso até agora”.

Publicação original: ver Aqui

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

IPG acolhe polo do Centro de Envelhecimento Ativo

O Instituto Politécnico da Guarda (IPG) vai acolher um polo do Centro de Competências de Envelhecimento Ativo, que irá desenvolver atividades para criar melhores condições de vida aos idosos da região.

Quinze ULS terão equipas dedicadas na área da Saúde Mental

Os primeiros Centros de Responsabilidade Integrados dedicados à Saúde Mental vão arrancar em 15 Unidades Locais de Saúde, numa primeira fase em projeto-piloto e durante 10 meses, segundo uma portaria publicada em Diário da República.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights