Estudo mostra como uma proteína tóxica se espalha com a Alzheimer

1 de Junho 2020

Investigação está a decorrer para melhor compreendermos como se espalham estas proteínas toxicas no cérebro, para que se possam estabelecer novas terapias que sejam capazes de parar o seu alastramento e, consequentemente parar a doença.

Versões tóxicas da proteína tau podem ser prejudiciais ao cérebro em casos de doença de alzheimer. Um novo estudo publicado na Nature Comunications mostra que a proteína tau se espalha no cérebro dos mais idosos através dos neurónios. Os investigadores conseguiram chegar à conclusão de que disseminação da proteína tóxica é facilitada por beta-amiloides.
Este estudo é uma colaboração entre a Universidade de Lund, na Suécia, e a Universidade de McGill, no Canadá, e traz novas informações sobre a disseminação de proteínas tau toxicas no cérebro.

“Os nossos investigadores sugerem que a tau tóxica se espalha em diferentes regiões do cérebro através de ligações neurais diretas, muito como uma doença infeciosa se pode espalha por cidades diferentes através dos sistemas de transportes.

A disseminação é contida durante o envelhecimento normal, mas numa pessoa com alzheimer alastra-se muito mais rápido graças aos beta-amiloides, e é provável que conduza à morte de nerónios e eventual demência”, diz o autor principal do estudo Jacob Vogel, da Universidade de McGill.

“Acredito que estas conclusões tenham implicações nas terapias com alvo a parar a disseminação da tau para abrandar a progressão de alzheimer”, explica Osakar Hansson, professor de neurologia na Universidade de Lund e parte da equipa do estudo.
Existem duas proteínas com conhecidas ligações à alzheimer – beta-amiloide, que aparece sob a forma de placas no cérebro, e tau, que causa a criação de “nós” entre células cerebrais, Estudos anteriores ligaram o espalhar da proteína tau toxica em particular, à degeneração do cérebro e sintomas como a perda de memória.

Investigação extensiva está a decorrer para melhor possamos compreender como se espalham estas proteínas toxicas no cérebro, para que se possam estabelecer novas terapias que sejam capazes de parar o seu alastramento e, consequentemente parar a doença. Testes clínicos estão atualmente a avaliar se os anticorpos desenvolvidos para se acoplar à tau conseguem parar o avanço da doença.

“As nossas descobertas têm implicações para a maneira como compreendemos a alzheimer, que está focada ora nos beta-amiloides ou na tau. Os resultados sugerem especificamente que limitam a assimilação de tau pelos neurónios ou tanto o transporte ou a excreção de tau poderiam limitar o avanço da doença”, diz Oskar Hansson.

Ver artigo Aqui

NR/HN/João Daniel Ruas Marques

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

IPG acolhe polo do Centro de Envelhecimento Ativo

O Instituto Politécnico da Guarda (IPG) vai acolher um polo do Centro de Competências de Envelhecimento Ativo, que irá desenvolver atividades para criar melhores condições de vida aos idosos da região.

UC integra estudo mundial sobre aumento da obesidade

Mais de um bilião de pessoas vivem atualmente com obesidade no mundo, segundo um estudo internacional em que participaram investigadores da Universidade de Coimbra (UC), divulgou a instituição.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights