Compreensão dos movimentos do RNA pode ser usada no tratamento do cancro

2 de Junho 2020

A descoberta pode ter implicações clínicas importantes, pois abre a porta a novas estratégias para o tratamento de diferentes tipos de cancro.

Uma pesquisa do Instituto Karolinska, publicada na Revista “Nature”, mostra que uma molécula de RNA envolvida na prevenção da formação de tumores pode mudar a sua estrutura e, assim, controlar a produção de proteínas na célula.

As moléculas curtas de RNA das nossas células, denominadas microRNA, são importantes reguladores do RNA mensageiro (mRNA) – as moléculas que codificam os blocos de construção do nosso corpo, as proteínas. O mecanismo exato dessa regulação continua a ser desconhecido, mas sabe-se que as microRNA podem silenciar moléculas de mRNA e, assim, impedir a produção de proteínas. Portanto, têm o potencial de serem usadas como ferramentas ou alvos para os medicamentos.

“É importante aumentar a nossa compreensão de como as microRNA regulam a produção de proteínas, porque esse processo é perturbado em diferentes tipos de doenças, incluindo o cancro”, diz Katja Petzold, professora associada do Departamento de Bioquímica Médica e Biofísica do Instituto Karolinska, na Suécia, que liderou o estudo. “Mostramos pela primeira vez que um complexo de microRNA-mRNA tem uma estrutura que muda e que esse movimento afeta o resultado biológico, ou seja, a quantidade de proteína produzida na célula”.

Katja Petzold, professora associada do Departamento de Bioquímica Médica e Biofísica do Instituto Karolinska, na Suécia, que liderou o estudo

Os investigadores estudaram uma microRNA conhecida como miR-34a, que desempenha um papel importante no cancro, regulando indiretamente a atividade da proteína p53, conhecida como “guardiã do genoma” pela sua capacidade de prevenir a formação de cancro. Alterações na função da p53 são muito comuns em carcinomas humanos. A miR-34a regula negativamente o mRNA que codifica a Sirt1, uma proteína que desativa a p53.

Utilizando a Ressonância Magnética Nuclear (RNM) e outros métodos biofísicos, os investigadores resolveram a estrutura e dinâmica do miR-34a que liga a molécula de mRNA. Quando mediram esta dinâmica, descobriram que o complexo existe em dois estados estruturalmente diferentes, um moderadamente activo com uma população de 99 por cento e outro com maior actividade, uma população de 1 por cento. Estes estados podem interconverter-se, pois estão em equilíbrio, e a população de cada estado pode ser modificada por factores externos.

“Depois de descobrir como fazer este “switch”, podemos usá-lo na prática clínica como um medicamento para controlar a produção de proteínas específicas”, explica Katja Petzold.

Os investigadores foram capazes de mostrar que a miR-34a utiliza a mesma estratégia para diminuir a produção de outras proteínas, e não apenas a Sirt1. “Isso é importante porque abre caminho para o desenvolvimento de medicamentos com um mecanismo de ação completamente novo”.

O estudo foi financiado por várias instituições, incluindo o Conselho de Investigação Sueco, a Fundação Sueca de Pesquisa Estratégica, a Fundação Harald e Greta Jeansson, a Fundação Eva e Oscar Ahrén, a Fundação Åke Wiberg, a Sociedade Sueca de Cancro, o Instituto Karolinska e a Fundação Ragnar Söderberg.

NR/HN/Adelaide Oliveira

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

IPG acolhe polo do Centro de Envelhecimento Ativo

O Instituto Politécnico da Guarda (IPG) vai acolher um polo do Centro de Competências de Envelhecimento Ativo, que irá desenvolver atividades para criar melhores condições de vida aos idosos da região.

UC integra estudo mundial sobre aumento da obesidade

Mais de um bilião de pessoas vivem atualmente com obesidade no mundo, segundo um estudo internacional em que participaram investigadores da Universidade de Coimbra (UC), divulgou a instituição.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights