EUA acusam a Venezuela de impedir voos humanitários

3 de Junho 2020

Os Estados Unidos (EUA) acusaram o Governo do Presidente venezuelano, Nicolás Maduro, de impedir voos humanitários para repatriar norte-americanos da Venezuela e recomendaram aos seus cidadãos que se prepararem para “uma estadia indefinida”

“Os cidadãos norte-americanos e quem têm residência legal permanente na Venezuela devem manter-se preparados para uma estadia indefinida na Venezuela. Neste momento, não temos nenhuma informação sobre possíveis voos para cidadãos norte-americanos ou com residência legal para sair da Venezuela”, explicou a Embaixada dos EUA em Caracas, em comunicado.

No documento, publicado no ‘site’, assegura-se que “o Governo dos EUA está a trabalhar arduamente para repatriar os cidadãos norte-americanos e os que têm residência permanente da Venezuela”.

“Tentámos organizar voos de repatriamento em abril e novamente a princípios de maio, mas o regime de [Nicolás] Maduro não outorgou as autorizações de voo necessárias”, adianta-se.

Segundo a Embaixada dos EUA a fronteira entre a Venezuela e a Colômbia está encerrada e, por isso, instou os norte-americanos a “não tentarem cruzar a fronteira”.

“As intenções de cruzar ilegalmente a fronteira terrestre com a Colômbia podem resultar em multas, detenções e aumentar a vulnerabilidade, ficando expostos a delitos, incluindo o sequestro. Os norte-americanos estão sujeitos a todas as leis e regulamentações locais, incluindo o recolhimento obrigatório e as quarentenas”, sublinha-se.

Segundo o comunicado, o Departamento de Estado dos EUA emitiu, desde fevereiro de 2019, um alerta de viagem para a Venezuela do tipo “nível 4: não viajar”.

“A Embaixada dos EUA em Caracas suspendeu as operações, em março de 2019. O Governo dos EUA tem uma capacidade extremadamente limitada para proporcionar serviços de emergência aos cidadãos norte-americanos na Venezuela. Devido a isto os EUA não podem organizar o transporte, alojamento, nem proporcionar assistência financeira de emergência aos cidadãos norte-americanos na Venezuela”, pode ler-se na nota.

Os EUA recomendam aos seus cidadãos que monitorizem o ‘site’ da embaixada e as suas redes sociais e que se inscrevam no programa Smart Traveler Enrollment Program (STEP).

A Venezuela registou oficialmente 18 mortes e 1.819 casos da covid-19, com 334 pessoas curadas da doença.

Desde 13 de março que o estado de alerta está em vigor no país, o que permite ao executivo decretar “decisões drásticas” para combater a pandemia.

Os voos nacionais e internacionais estão restringidos, com exceção dos humanitários, e a população está em quarentena e impedida de circular livremente entre os vários estados do país, desde 16 de março.

Desde segunda-feira que o Governo venezuelano implementou um programa próximo de flexibilização da quarentena, que permite aos venezuelanos saírem durante algumas horas por dia, mantendo o distanciamento social e o uso de máscaras.

Este programa prevê cinco dias de flexibilização seguido por 10 dias de confinamento obrigatório e permite a abertura de alguns setores económicos, entre eles os bancos, os consultórios médicos e odontológicos, as oficinas mecânicas e os setores da construção civil, as sapatarias, as lojas de roupa, de ferragem, refrigeração e canalização, a indústria da matéria prima química e os cabeleireiros.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 379 mil mortos e infetou mais de 6,3 milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Mais de 2,6 milhões de doentes foram considerados curados.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

NR/HN/Lusa

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Associação Portuguesa de Jovens Farmacêuticos junta partidos para debater o setor antes das legislativas

A Associação Portuguesa de Jovens Farmacêuticos (APJF) vai organizar, no próximo dia 26 de fevereiro, um debate público para discutir as principais preocupações do setor farmacêutico para os próximos anos. O evento “Prioridades para o Ecossistema Farmacêutico e da Saúde”, a ter lugar no Centro Ciência Viva, em Lisboa, vai reunir representantes dos partidos políticos num debate que antecede as eleições legislativas. 

Workshop sobre Obesidade assinala Dia Mundial no Porto

No próximo dia 4 de março, Dia Mundial da Obesidade, a cidade do Porto acolhe um workshop gratuito sobre Obesidade, com o intuito de se falar abertamente sobre esta doença que afeta quase mil milhões de pessoas em todo o mundo.

A FEPODABES lança a campanha É HORA DE AJUDAR

O Presidente da FEPODABES, Alberto Mota, deixa o apelo: “todos os cidadãos com mais de 18 anos, que tenham mais de 50kg e que sejam saudáveis podem dar sangue. Esse gesto simples contribui para salvar muitas vidas”.

Cancer Summit da MSD regressa com o mote “Salvar e Melhorar Vidas”

No dia 24 de fevereiro, no Altice Arena, realiza-se a 3.ª edição do Cancer Summit, um evento na área da Oncologia da MSD Portugal. A iniciativa tem como mote “Salvar e Melhorar Vidas” e pretende promover a qualidade dos cuidados prestados aos doentes oncológicos a nível nacional.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights