Sindicato acusa hospital Garcia de Orta de gestão autocrática e pede intervenção do Governo

4 de Junho 2020

O Sindicato dos Médicos da Zona Sul acusou hoje o conselho de administração do Hospital Garcia de Orta, em Almada, de gestão autocrática na sequência da demissão do diretor de Ginecologia e Obstetrícia e pediu a intervenção do Governo.

Em comunicado, o Sindicato dos Médicos da Zona Sul (SMZS) afirma que o conselho de administração do Hospital Garcia de Orta, em Almada, distrito de Setúbal, “deu mais uma prova de gestão autocrática e antidemocrática, ao demitir, na semana passada, o diretor do Serviço de Ginecologia e Obstetrícia por delito de opinião”.

Por isso, solicita a intervenção do Ministério da Saúde e exige uma lei de gestão democrática, com base na governação clínica e concurso público para os cargos de direção técnica.

O SMZS afirma também que a política do conselho de administração “prejudica o funcionamento do hospital” e põe “em risco a qualidade da medicina praticada, o que impõe o seu imediato afastamento”.

Em comunicado emitido na sexta-feira, o conselho de administração do hospital de Almada afirma que “num ato de gestão interna e na sequência de uma atuação institucionalmente incorreta da exclusiva iniciativa do diretor do Serviço de Ginecologia e Obstetrícia para com o conselho de administração, que o próprio tornou pública, teve que agir em conformidade, decidindo a cessação da sua comissão de serviço”.

Hoje, o SMZS refere que a “demissão ocorreu após o diretor do serviço de Ginecologia e Obstetrícia ter manifestado o seu desagrado perante a diretriz emanada pelo diretor Clínico do hospital – que acumula também o cargo de diretor do serviço de Infeciologia de forma ilegal – de internar na mesma enfermaria grávidas com e sem infeção por covid-19, apesar de existirem vagas em serviços exclusivamente destinados a doentes” infetados com o vírus.

Com esta atitude, sublinha o sindicato, o presidente do conselho de administração do Hospital Garcia de Orta “evidencia, mais uma vez, o caráter autoritário que já tinha demonstrado enquanto diretor executivo do ACES [Agrupamentos de Centros de Saúde] Almada-Seixal”.

No entendimento do sindicato, a gestão do hospital durante a pandemia por covid-19 “tem sido desastrosa, com claro prejuízo dos doentes no acesso a cuidados de saúde”.

De acordo com o SMZS, os tempos de bloco operatório foram drasticamente reduzidos, nomeadamente para os serviços de ginecologia e obstetrícia, ortopedia e neurocirurgia, que têm acesso ao bloco apenas de três em três semanas.

“Por isso, os doentes oncológicos da ginecologia (13) e neurocirurgia (14) continuam a aguardar tempos para ser operados”, adianta.

O sindicato diz também que a ortopedia tem 40 doentes com fraturas a aguardar sala operatória.

Esta decisão, segundo o sindicato, resulta no agravamento das listas de espera para cirurgia e promove o recurso aos hospitais privados através dos cheques-cirurgia.

“Durante este período epidémico, também de forma prepotente, os jovens médicos internos da Formação Geral foram obrigados a cumprir horários excessivos e ilegais no serviço de urgência, sem apoio qualificado”, destaca o sindicato.

O SMZS lembra ainda que a “atitude autoritária e persecutória” do conselho de administração do hospital “tem levado à saída de vários médicos, nomeadamente do serviço de pediatria, cuja urgência se mantém encerrada no período noturno desde novembro de 2019 por falta de médicos”.

A demissão do diretor do serviço de Ginecologia/Obstetrícia do Garcia de Orta já tinha sido criticada pelo Sindicato Independente dos Médicos, que considera que a decisão foi tomada de forma “leviana”, e pela Ordem dos Médicos que pediu explicações à administração.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Associação Portuguesa de Jovens Farmacêuticos junta partidos para debater o setor antes das legislativas

A Associação Portuguesa de Jovens Farmacêuticos (APJF) vai organizar, no próximo dia 26 de fevereiro, um debate público para discutir as principais preocupações do setor farmacêutico para os próximos anos. O evento “Prioridades para o Ecossistema Farmacêutico e da Saúde”, a ter lugar no Centro Ciência Viva, em Lisboa, vai reunir representantes dos partidos políticos num debate que antecede as eleições legislativas. 

Workshop sobre Obesidade assinala Dia Mundial no Porto

No próximo dia 4 de março, Dia Mundial da Obesidade, a cidade do Porto acolhe um workshop gratuito sobre Obesidade, com o intuito de se falar abertamente sobre esta doença que afeta quase mil milhões de pessoas em todo o mundo.

A FEPODABES lança a campanha É HORA DE AJUDAR

O Presidente da FEPODABES, Alberto Mota, deixa o apelo: “todos os cidadãos com mais de 18 anos, que tenham mais de 50kg e que sejam saudáveis podem dar sangue. Esse gesto simples contribui para salvar muitas vidas”.

Cancer Summit da MSD regressa com o mote “Salvar e Melhorar Vidas”

No dia 24 de fevereiro, no Altice Arena, realiza-se a 3.ª edição do Cancer Summit, um evento na área da Oncologia da MSD Portugal. A iniciativa tem como mote “Salvar e Melhorar Vidas” e pretende promover a qualidade dos cuidados prestados aos doentes oncológicos a nível nacional.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights