Investigadores Portugueses conseguem controlar e eliminar no leite a bactéria que causa a listeriose

5 de Junho 2020

Investigadores da Escola Superior de Biotecnologia (ESB) da Universidade Católica Portuguesa, no Porto, conseguiram eliminar e controlar no leite a bactéria que causa a listeriose, com base num método alternativo e “mais amigo do ambiente”, foi hoje revelado.

Em declarações à Lusa, Paula Teixeira (na foto), investigadora da ESB, afirmou hoje que o estudo visava desenvolver tecnologias alternativas para eliminar a Listeria monocytogenes, a bactéria patogénica transmitida por alimentos que “mais mata na Europa e que mais hospitalizações causa”.

“Esta é uma das bactérias que mais preocupa a indústria e a comunidade científica, daí os esforços para a combater”, realçou a docente, adiantando que o estudo, publicado na revista científica Food Microbiology, teve por base o impacto desta bactéria, que causa a listeriose, no leite.

Recorrendo a um método, intitulado de “tecnologia das barreiras”, os investigadores submeteram simultaneamente a Listeria a três tratamentos: a proteínas produzidas por bactérias “amigas do homem”, a bacteriófagos (vírus que ‘comem’ as bactérias) e a uma tecnologia “emergente de alta pressão”.

“Combinando estes três tratamentos conseguimos controlar a Listaria. Além de a eliminarmos, impedimos que eventuais sobreviventes possam desenvolver-se novamente durante o armazenamento”, avançou Paula Teixeira.

De acordo com a investigadora, esta combinação de tratamentos, que “nunca foi utilizada” pela comunidade científica, é também “mais eficiente e amiga do ambiente”.

“Neste tratamento, a eficiência energética é diferente porque temos menos gastos do que com o tratamento convencional do leite, que é o tratamento térmico”, sublinhou, acrescentando que a equipa está já a aplicar o método a outros produtos alimentares.

“Este estudo foi aplicado no leite, mas estamos a aplicar a outras matrizes alimentares em que o crescimento da Listeria pode ser controlado por agentes químicos e que, neste caso, esses agentes químicos podem ser substituídos por esta combinação de barreiras. Neste momento, estamos em fase de publicação de um novo artigo em que a combinação foi aplicada a produtos de charcutaria”, referiu.

À Lusa, Paula Teixeira salientou que a indústria está “muito aberta” a este tipo de soluções, isto porque a introdução de bactérias antimicrobianas não põe em causa os padrões de qualidade dos alimentos.

A poucos dias de se celebrar o Dia Mundial da Segurança Alimentar, que se assinala no domingo, a investigadora sublinhou que a “segurança alimentar continua a ser pouco relevante para a população em geral”.

“As pessoas dão pouca importância à segurança alimentar. Todos os anos falamos dos 23 milhões de casos de doenças transmitidas por alimentos, cinco mil mortes na Europa e parece que estes números não alteram a visão das pessoas”, afirmou, acrescentando que também o número de casos de listeriose na Europa “tem aumentado nos últimos anos”.

Segundo a investigadora, o lema da Organização Mundial de Saúde (OMS) deste ano para celebrar o Dia Mundial da Segurança Alimentar é que esta é “uma responsabilidade de todos”, incluindo cientistas, consumidores, governos, produtores e distribuidores.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

238 casos de Mpox detetados em Portugal desde junho

Cerca de 240 casos de Mpox foram detetados em Portugal desde 01 de junho do ano passado, revela um balanço da Direção-Geral da Saúde (DGS), segundo o qual o surto continua ativo, mas com tendência decrescente.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights