Rui Cernadas Assistente Graduado MGF

Envelhecer antes e depois do covid-19…

06/12/2020

[xyz-ips snippet=”Excerpto”]

Envelhecer antes e depois do covid-19…

12/06/2020 | Opinião

Os cuidados médicos aos mais idosos e aos mais frágeis eram um desafio crescente nas sociedades mais desenvolvidas.
Em boa medida pelos efeitos deletérios e pelas interacções de esquemas terapêuticos pesados, alargados ou demasiado “ambiciosos”. Conhecem-se aliás dados sobre a incidência, potencial de risco e custos associados com impacto, quer em matéria de segurança em geral, quer de iatrogenia em particular.

Em síntese, dir-se-ia que a população idosa consome mais medicamentos do que as de idade mais baixa e está mais sujeita à ocorrência de eventos adversos.

Todas as projecções sobre a longevidade e a resolução de muitas das situações e das complicações que encurtavam a vida dos pacientes acentuam ou acentuavam a complexidade daquela gestão.

O problema em torno da prescrição inapropriada e as ferramentas disponíveis para a sua identificação justificaram publicações e comunicações sucessivas e repetidas. Entre nós, por exemplo, a operacionalização dos Critérios de Beers tornou-se quase viral no esforço de alerta dos profissionais de saúde. Mas terá atingido tal desiderato?

Mas o cenário pandémico em que caímos com estrondo, luto e prejuízo, veio mostrar que o esquecimento do risco infecto-contagioso, sobretudo nestes escalões etários mais avançados e em contexto de institucionalização, sublinha o carácter global e integral do binómio doença-saúde.

A infecção pelo novo coronavírus veio de forma severa e inesperada recordar outros riscos, bem mais antigos e sérios. A ideia de mudança do paradigma das doenças infeciosas e da malnutrição para o das doenças crónicas, sendo verdadeira à data de chegada do “bicho”, mostrou que nem foi definitiva, nem absoluta.

A continuidade de cuidados ao longo da vida obriga a reflexão e face à mortalidade verificada, um pouco por todo o lado, com uma responsabilidade moral e ética acrescida de sentido estratégico.

Tem que se assegurar uma integração de cuidados e dos processos assistenciais, garantindo a esta população institucionalizada, uma oferta abrangente que vise a preservação das suas reservas funcionais, a promoção da reabilitação e modelos de autonomia adaptados, a observância de regras de prescrição correctas, a articulação formal entre todos os agentes prescritores de cuidados.

E o Estado, pelo seu Serviço Nacional de Saúde, pode e deve ser o regulador de tal estratégia.

O envelhecimento caracteriza-se por alterações psicológicos certamente, mas sobretudo por um declínio biológico das capacidades adaptativas orgânicas. Este curso bem identificado traduz-se numa probabilidade acrescida de patologia, de qualquer patologia, de precipitação e aceleração do fim da vida.

Tantos idosos falecidos ou a letalidade nestes escalões etários não foram fenómenos inexplicáveis. E se a pandemia pelo COVID-19 se tornou pública e dramática, a sobrecarga anual registada sobre as unidades de cuidados intensivos por formas diversas de pneumonia ou nos períodos de gripe sazonal – de conhecimento dos profissionais e instituições de saúde e das autoridades de saúde pública deveria merecer idêntico tratamento e comunicação à população em geral.

Sobretudo quando, num momento em que a nossa vida parece depender duma nova vacina que tarda em chegar, se desperdiçam, rejeitam ou ignoram as oportunidades de vacinação existentes e disponibilizadas!

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

IPG acolhe polo do Centro de Envelhecimento Ativo

O Instituto Politécnico da Guarda (IPG) vai acolher um polo do Centro de Competências de Envelhecimento Ativo, que irá desenvolver atividades para criar melhores condições de vida aos idosos da região.

UC integra estudo mundial sobre aumento da obesidade

Mais de um bilião de pessoas vivem atualmente com obesidade no mundo, segundo um estudo internacional em que participaram investigadores da Universidade de Coimbra (UC), divulgou a instituição.

Quinze ULS terão equipas dedicadas na área da Saúde Mental

Os primeiros Centros de Responsabilidade Integrados dedicados à Saúde Mental vão arrancar em 15 Unidades Locais de Saúde, numa primeira fase em projeto-piloto e durante 10 meses, segundo uma portaria publicada em Diário da República.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights