Olhááááa Sardinha!!!!!

15 de Junho 2020

Confesso sentir-me muito confuso – e preocupado – com algumas incongruências que tenho vindo a constatar relativamente a medidas de proteção contra a Pandemia por Covid 19 adotadas pelas autoridades. 

Vem isto a propósito das festas de Lisboa. Se há coisa que nunca deixei de fazer, ano após ano, depois de ter retornado das ex-colónias, foi o de ir dar um passeio a Alfama em vésperas de Santo António. Não para me conformar às horas de fila necessárias para arranjar um tamborete e meia palete travestida de mesa de restaurante. Não gosto de filas, pronto!!!

Este ano não foi exceção. Afinal de contas, a Senhora Diretora Geral da Saúde tinha afirmado na véspera que não viria mal ao mundo ir comer uma sardinha no recado de uma taberna. Que manjericos e balões é que não…. Eram uma ameaça!!!

Estacionei na Rua da Palma, desci ao Martim Moniz, contornei a Senhora da Saúde e fui Rua da Madalena acima e abaixo, até à Rua de S. Julião de onde cortei para rua da Padaria até à Sé.

A partir daí fiz o que sempre faço. Aproo o nariz ao vento e tento perceber de onde vem o cheiro a sardinhas assadas. Normalmente de vários sítios, quando o ano é bom.

Consegue-se até isolar o odor a pimentos assados que normalmente acompanham as populares manjuas.

Esta ano…Nada. Nem uma brisa denunciadora me agitou o olfato.

Pensando na coisa de regresso ao carro, tentei encontrar justificação para o insólito.

Comecei por concordar que Santos Populares não são ajuntamentos. É gente apertada como as sardinhas em lata. Nada aconselháveis.

Mas depois depressa vêm à memória as reuniões do trio da hora do almoço… E as dúvidas despertam…. E então o arraial do 1º de Maio na Alameda? Não se poderia arranjar algo semelhante? Não! Atiraram as autoridades. E os jogos de futebol e os concertos ao ar livre e as multidões nas praias?

Como questiona na sua crónica António Alvim, até quando o absurdo de se ir ao barbeiro cortar o cabelo ao mesmo tempo que não se pode marcar consulta para o Médico de Família, a menos que se demonstre que se está a morrer?

MMM

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Dois anos depois, acesso ao aborto divide Estados Unidos ao meio

A decisão do Supremo Tribunal dos Estados Unidos de revogar o direito federal ao aborto, tomada há dois anos, dividiu profundamente o país no que diz respeito ao acesso a cuidados de saúde. Atualmente, em 21 estados norte-americanos, o procedimento é ilegal ou restrito.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights