Pfizer celebra 65 anos em Portugal

21 de Setembro 2020

A Pfizer está há 65 anos em Portugal e vai celebrar o aniversário com um selo comemorativo e uma campanha digital que reforçam o propósito da empresa – inovação que transforma a vida dos doentes.

É graças a companhias como a Pfizer que ter 65 anos é hoje ter ainda muito pela frente. Ao longo das últimas décadas a farmacêutica procurou sempre ir além dos limites da ciência, procurando sempre responder às necessidades médicas não satisfeitas em áreas como a inflamação, os anti-infeciosos, as doenças raras, a oncologia, as vacinas, anti coagulação e a cessação tabágica.

Foi em 1956 que nasceu o mais antigo e prestigiado Prémio de Investigação Médica em Portugal – Os Prémios Pfizer – que, ao longo dos anos distinguiram inúmeros investigadores portugueses de renome, como João Lobo Antunes, António Damásio, Alexandre Castro Caldas, Maria Carmo-Fonseca, Miguel Castelo Branco, Miguel Soares, Mónica Bettencourt Dias, Bruno Silva-Santos, Henrique Veiga-Fernandes, Maria Manuel Mota, Céu Figueiredo ou Mariana Gomes de Pinho, entre tantos outros investigadores.

Por tudo isto e muito mais, os 65 anos são um momento de renovação e compromisso para com o futuro, com a ciência, com a investigação e a inovação, mas sobretudo para com os Portugueses.

Saiba mais Aqui

e Aqui

PR/HN/João Marques

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Altamiro da Costa Pereira: “A Inteligência Artificial não passa de mais uma ferramenta à disposição do médico”

O impacto das tecnologias no ensino da Medicina e da prática clínica foi o tema escolhido para encerrar o ciclo de conversas conduzidas pelo professor catedrático, Jorge Polónia. Desta vez, e para terminar com ‘chave de oro’, o convidado foi o Diretor da Faculdade de Medicina do Porto, o Prof. Altamiro da Costa Pereira. O responsável destacou que apesar de a Inteligência Artificial ser uma ferramenta “poderosíssima”, esta “nos dá por si só novo conhecimento”, o que significa que “a investigação vai continuar a ser feita” e os médicos vão ser sempre necessários.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights