Lúcio Meneses de Almeida Presidente do Conselho Nacional de Ecologia e Promoção da Saúde da Ordem dos Médicos Médico Assistente Graduado de Saúde Pública

Endemias, epidemias e hiperendemias: a propósito da pandemia de covid-19

01/27/2022

Volvidos quase 2 anos do início da pandemia (epidemia global) de SARS-CoV-2/COVID-19, encontramo-nos na quinta onda pandémica, a mais intensa de todas. É, pois, compreensível que se tente compensar o desgaste a que os sistemas de saúde de todo o Mundo e a população em geral têm sido sujeitos, através de notícias, mais ou menos esfuziantes, sobre o curso desta pandemia.

Desde há algumas semanas, vem sendo episodicamente aventado que o nosso País se encontra em “endemia”. Esta afirmação não seria refutável se a atividade epidémica pelo SARS-CoV-2 não se traduzisse, à data presente, por uma onda – atente-se, em crescimento…
Num país de “treinadores de sofá”, importa precisar o significado de termos e de conceitos epidemiológicos, aclarando-os quanto à sua significância em saúde pública.

Do ponto de vista conceptual, uma “endemia” pressupõe uma incidência constante e baixa. Traduz-se, no respeitante à dinâmica das doenças infeciosas, num número reprodutivo efetivo (R) de 1.

Sempre que o limiar epidémico (incidência crítica) é ultrapassado com significância estatística, falamos em epidemia. Numa epidemia em evolução, o R é superior a 1: cada caso gera mais do que um caso secundário, igualmente infecioso.

Quando o R iguala o 1, o pico da onda epidémica é alcançado – significando, classicamente, que foi atingida a imunidade de grupo. A partir desse momento, o número de casos começa a decrescer e a epidemia deixa de ser autossustentável (R <1).

É, em tudo, semelhante a um incêndio: à medida que vai lavrando, o combustível vai sendo consumido; a partir de um determinado momento, deixa de haver combustível suficiente para o incêndio perdurar e este extingue-se, espontaneamente. O incêndio corresponde à epidemia propriamente dita; o “combustível” aos suscetíveis (i.e., não imunes).

De acordo com o boletim epidemiológico do INSA mais recentemente divulgado (relatório de nowcasting de 21/01/2022), o R nacional corresponde a 1,10. Este valor é compatível com uma onda em crescimento, ainda que inferior, no seu aumento relativo (taxa), ao das semanas anteriores: a estimativa pontual, reportada em 14 de janeiro, foi de 1,19, tendo sido de 1,32 na semana anterior.

Ou seja: o número de novos casos aumentou 32% na semana correspondente ao boletim de 7 de janeiro, 19% na correspondente ao do dia 14 e 10% no de 21 do presente mês. Estes dados indicam que estamos em franca atividade epidémica, ainda que em desaceleração gradual: o número de novos casos continua a crescer, mas a uma velocidade progressivamente menor.

Existe, ainda, outro padrão epidemiológico, intermédio: a “hiperendemia”. Corresponde a fenómenos de saúde com incidências elevadas e constantes, necessariamente abaixo do limiar epidémico.

Quanto à proporção de infetados necessária para controlar uma epidemia, na ausência de uma vacina que previna a doença/infeção, calcula-se a partir do número reprodutivo básico (R0). Este interpreta-se de forma semelhante à do número reprodutivo efetivo (R), ainda que reportado a uma população totalmente suscetível (t=0).

Em Portugal, o R0 para a COVID-19/SARS-CoV-2 foi estimado entre 2,01 e 2,07. Tal significa que, em cada momento, metade da população (50 a 52%) terá que ser imune – seja por infeção natural, seja por vacinação – para que a endemicidade (R=1) seja assegurada. À data presente (relatório de situação da DGS de 26/01/2022), foram cumulativamente infetados cerca de 2,4 milhões de portugueses.

Quanto maior a ilusão, maior o risco de desilusão. Só depois de alcançada a imunidade de grupo é que podemos falar em “endemia”. Até lá, estamos perante uma “afirmação precoce”- plena de vitalidade, mas falha em oportunidade…

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

No Results Found

The page you requested could not be found. Try refining your search, or use the navigation above to locate the post.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights