PAM retoma doses completas de ajuda alimentar em Moçambique

1 de Fevereiro 2022

O Programa Alimentar Mundial (PAM) retomou a entrega de doses alimentares completas às famílias de acolhimento e deslocados de guerra em Cabo Delgado, norte de Moçambique, anunciou o mais recente relatório sobre a crise humanitária.

Os pacotes de ajuda entregues a cada família tinham sido reduzidos a 39% das necessidades energéticas diárias desde julho de 2021 devido a falta de fundos da agência das Nações Unidas.

“Espera-se que doses completas sejam distribuídas de janeiro a março”, anuncia a Rede de Alerta Antecipado de Fome (rede Fews, sigla inglesa), que integra o PAM, num documento divulgado na segunda-feira e consultado hoje pela Lusa.

No entanto, o mesmo documento alerta para o risco de “quebra de fornecimento devido a falta de fundos em abril”.

A situação daqui a dois meses dependerá do redirecionamento de verbas e reorganização de prioridades, acrescenta.

O PAM ajudou 980.000 pessoas em Cabo Delgado, Nampula e Niassa durante o mês de janeiro.

Uma intervenção militar conjunta de Moçambique, Ruanda e países da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) está a eliminar a insurgência armada e a devolver segurança à província, mas “ataques esporádicos por grupos dispersos de insurgentes estão a reacender o medo” da população.

Como consequência, o cenário “limita a participação ativa na época agrícola”, essencial para matar a fome à maioria das famílias, uma vez que sempre dependeram da agricultura de subsistência.

Ainda segundo a rede Fews, uma nova área de ‘stress’ alimentar emergiu em Mecula, na província do Niassa, devido a ataques que obrigaram à fuga de 3.700 habitantes – ataques que as autoridades têm atribuído a insurgentes em fuga de Cabo Delgado.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Trabalhadores do Hospital de Braga não querem regressar à Parceria Público-Privada

Os trabalhadores do Hospital de Braga não querem regressar à Parceria Público-Privada (PPP), garante Camilo Ferreira, coordenador da Comissão de Trabalhadores, que recordou, em conversa com o HealthNews, a exaustão dos profissionais naquele modelo de gestão e, como Entidade Pública Empresarial (EPE), a melhoria das condições de trabalho e do desempenho.

Governo quer “articulação virtuosa” entre entidades de saúde

O Governo está a avaliar as atribuições de entidades como a Direção-Executiva do SNS, a DGS e o Infarmed para garantir “uma articulação virtuosa” que consiga diminuir a burocracia e concretizar as políticas de saúde, anunciou hoje a ministra.

Menopausa: Uma doença ou um processo natural de envelhecimento?

A menopausa foi o “elefante na sala” que a Médis trouxe hoje ao Tejo Edifício Ageas Tejo. O tema foi abordado numa conversa informal que juntou diversos especialistas. No debate, os participantes frisaram que a menopausa não é uma doença, mas sim um “ciclo de vida”. 

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights