Sindicato repudia detenção de médico angolano por alegado abuso sexual

18 de Fevereiro 2022

O Sindicato dos Médicos de Angola na província do Cuando Cubango repudiou esta sexta-feira a detenção de um médico acusado de um alegado abuso sexual, depois de ter feito um exame ginecológico a uma paciente.

De acordo com a nota de repúdio divulgada na quinta-feira, a que a agência Lusa teve hoje acesso, a paciente na companhia do marido dirigiu-se, no dia 13 deste mês, ao banco de urgência do Hospital Municipal de Menongue, com queixas de dor no baixo-ventre intensa e amenorreia há mais de dois meses.

Segundo a nota, na altura, o seu filiado era o único médico de serviço, por conta da insuficiência de recursos humanos, que respondia a todos os serviços, nomeadamente a pediatria, medicina interna, ginecologia e obstetrícia, cirurgia e ortopedia.

O médico encontrava-se a atender outros doentes com critério de urgência quando se apercebeu de um clima de tensão na sala de espera provocado pelo marido da paciente que exigia atendimento imediato, tendo priorizado o atendimento da mesma.

“Sensibilizado com a situação, prioriza a paciente e convida o marido a entrar no consultório, pelo que este nega a assistir a consulta da esposa sem motivos palpáveis. Após o interrogatório foi-lhe explicada a necessidade de realizar uma ecografia ginecológica e teste rápido de gravidez (indisponíveis) e exame físico ginecológico, pelo que a paciente pediu que o mesmo realizasse o exame físico ginecológico, que engloba o toque vaginal”, explica a nota.

A nota sublinha que, dez minutos depois da consulta, a equipa em serviço foi surpreendida por agentes do Serviço de Investigação Criminal, que detiveram o médico, alegando denúncia de tentativa de abuso sexual feita pela paciente, “ato que surpreendeu a todos, incluindo outros pacientes, porque quando a mesma saiu do consultório não manifestou insatisfação”.

“Visto que era o único médico em serviço, a supervisão do hospital solicitou que o mesmo se apresentasse no dia seguinte ao SIC, facto que foi negado pelos agentes, alegando detenção por ordens superiores”, refere-se no documento.

O sindicato condena a detenção do médico “sem avaliar a veracidade dos factos e visto que o ambiente em que supostamente se desenvolveu a ação não oferece condições para tal e colocando em causa a vida dos demais pacientes ao deixar o Hospital sem cobertura médica”.

“Condenamos também as detenções arbitrárias emanadas por ditas ordens superiores e sem respaldo jurídico legal, pelo que apelamos o apuramento correto dos factos e a condução do processo sem interferências externas e que a justiça seja feita”, frisa o sindicato na sua nota de repúdio.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Trabalhadores do Hospital de Braga não querem regressar à Parceria Público-Privada

Os trabalhadores do Hospital de Braga não querem regressar à Parceria Público-Privada (PPP), garante Camilo Ferreira, coordenador da Comissão de Trabalhadores, que recordou, em conversa com o HealthNews, a exaustão dos profissionais naquele modelo de gestão e, como Entidade Pública Empresarial (EPE), a melhoria das condições de trabalho e do desempenho.

Governo quer “articulação virtuosa” entre entidades de saúde

O Governo está a avaliar as atribuições de entidades como a Direção-Executiva do SNS, a DGS e o Infarmed para garantir “uma articulação virtuosa” que consiga diminuir a burocracia e concretizar as políticas de saúde, anunciou hoje a ministra.

Menopausa: Uma doença ou um processo natural de envelhecimento?

A menopausa foi o “elefante na sala” que a Médis trouxe hoje ao Tejo Edifício Ageas Tejo. O tema foi abordado numa conversa informal que juntou diversos especialistas. No debate, os participantes frisaram que a menopausa não é uma doença, mas sim um “ciclo de vida”. 

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights