São Tomé e Príncipe aprova estratégia nacional para o controlo do tabagismo

4 de Março 2022

São Tomé e Príncipe validou na quinta-feira a sua estratégia nacional para o controlo do tabagismo visando a aplicação da convenção do controlo do tabaco da Organização Mundial da Saúde e a redução das mortes prematuras por doenças não transmissíveis no país.

A Convenção-Quadro da Organização Mundial da Saúde (OMS) para o Controlo do Tabaco foi ratificada por São Tomé e Príncipe em 2006. Em agosto do ano passado o país iniciou o processo de avaliação do progresso de aplicação desta convenção e das necessidades para adoção do documento que foi validado na quinta-feira.

“A nossa maior satisfação é ver o nosso país aplicar devidamente esta convenção quadro podendo ver no futuro São Tomé e Príncipe livre do uso do tabaco e das suas nefastas consequências”, afirmou a representante interina da OMS em São Tomé e Príncipe, Claudina Cruz.

A representante da OMS realçou que “a validação e a implementação da estratégia nacional para o controlo do tabagismo irá repercutir positivamente na saúde da população de São Tomé e Príncipe” por isso é “sublimemente apoiada pela Organização Mundial da Saúde”.

Segundo Claudina Cruz, uma pesquisa realizada em São Tomé e Príncipe em 2019 concluiu que “4,7% da população estudada atualmente fuma cigarros ou algum produto do tabaco”, sendo que 47% “dizem que fumam diariamente”, sendo que “a idade média de início do uso do tabaco é de 19,7 anos, e a duração média é de 21,3 anos”.

A representante da OMS acrescentou que de acordo com resultados do estudo “89,9% da população de 18 a 69 anos está exposta a um ou mais fatores de risco que levam a doenças não transmissíveis”, sendo estas “as principais causas de mortalidade e morbidade no país”.

“O tabagismo, o sedentarismo, o uso nocivo de álcool e as dietas não saudáveis aumentam o risco de morte por doenças não transmissíveis”, referiu Claudina Cruz, acrescentando que “a epidemia do tabaco é uma das maiores ameaças à saúde pública que o mundo já enfrentou, matando mais de 8 milhões de pessoas a cada ano”, sendo que mais de 7 milhões são consumidores ou ex-consumidores, e cerca de 1,2 milhão são não fumadores expostos involuntariamente ao fumo.

“Embora São Tomé e Príncipe também esteja fazendo bons progressos na luta contra as doenças transmissíveis, por exemplo, a perspetiva de eliminação da malária e uma taxa de cobertura de vacinação entre as mais altas do continente, o fardo das doenças não transmissíveis é particularmente alto e observa um declínio em certos indicadores de longo prazo”, referiu a representante da OMS.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Projeto liderado pela ESEnfC vence Prémio Erasmus+

O projeto europeu de capacitação para a prática de cuidados de enfermagem multiculturais, “MulticulturalCare”, liderado pela Escola Superior de Enfermagem de Coimbra (ESEnfC) e com coordenação da professora Ana Paula Monteiro, foi vencedor do Prémio Erasmus+ na categoria de Parcerias de Cooperação no Ensino Superior do ano 2023, foi anunciado na última terça-feira.

Sindepor vai impugnar concurso da ARS Norte

O Sindicato Democrático dos Enfermeiros (Sindepor) vai “contestar juridicamente a alteração súbita das regras de um concurso destinado à contratação de 61 enfermeiros para a Administração Regional de Saúde (ARS) do Norte”, divulgou hoje o Sindepor.

Número de mortos em esfaqueamento na Austrália sobe para seis

O número de vítimas mortais do esfaqueamento que ocorreu hoje num movimentado centro comercial em Sidney, na Austrália, subiu de cinco para seis, depois de um dos feridos hospitalizados ter sucumbido aos ferimentos, confirmou a polícia australiana.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights