Morte de grávida e do bebé em hospital no Senegal podia ter sido evitada, diz ministro da Saúde

14 de Abril 2022

O ministro da Saúde do Senegal admitiu esta quinta-feira que a recente morte de uma mulher grávida num hospital público, que causou uma onda de indignação, poderia ter sido evitada com mais vigilância.

“A morte de Astou Sokhna é considerada uma morte materna, evitável através de uma boa avaliação dos riscos e de uma monitorização ótima durante a sua estadia na maternidade”, disse Abdoulaye Diouf Sarr à imprensa.

As missões do ministério destacam uma “avaliação não otimizada dos riscos e um controlo inadequado”, afirmou.

Durante a gravidez, a paciente tinha sido submetida a quatro consultas pré-natais, que não detetaram qualquer anomalia, indicou.

As circunstâncias da morte de Astou Sokhna, e do bebé, conforme noticiado pela imprensa, causaram uma onda de protestos nas redes sociais contra as deficiências do sistema de saúde pública neste país pobre e provocaram também uma resposta do Estado ao mais alto nível.

De acordo com a imprensa senegalesa, Astou Sokhna, uma mulher casada na casa dos 30 anos, grávida de nove meses, morreu a 07 de abril no hospital de Louga (norte do Senegal), após esperar com grande sofrimento por uma cesariana que tinha pedido.

O pessoal recusou o pedido, argumentando que a cirurgia não estava agendada, e ameaçou afastá-la, caso ela insistisse.

Uma cesariana foi-lhe efetivamente prescrita no hospital, revelou o ministro.

O Presidente Macky Sall tinha emitido uma mensagem de condolências na segunda-feira à noite e deu instruções para determinar as responsabilidades.

O diretor do hospital foi demitido e o pessoal em serviço durante a morte suspenso. A substituição do diretor foi anunciada na quarta-feira à noite no Conselho de Ministros.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Trabalhadores do Hospital de Braga não querem regressar à Parceria Público-Privada

Os trabalhadores do Hospital de Braga não querem regressar à Parceria Público-Privada (PPP), garante Camilo Ferreira, coordenador da Comissão de Trabalhadores, que recordou, em conversa com o HealthNews, a exaustão dos profissionais naquele modelo de gestão e, como Entidade Pública Empresarial (EPE), a melhoria das condições de trabalho e do desempenho.

Menopausa: Uma doença ou um processo natural de envelhecimento?

A menopausa foi o “elefante na sala” que a Médis trouxe hoje ao Tejo Edifício Ageas Tejo. O tema foi abordado numa conversa informal que juntou diversos especialistas. No debate, os participantes frisaram que a menopausa não é uma doença, mas sim um “ciclo de vida”. 

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights