Maior hospital do norte de Moçambique preocupado com excesso de acompanhantes de doentes

14 de Novembro 2022

O Hospital Provincial de Nampula, o maior do norte de Moçambique, manifestou no domingo preocupação com o risco de propagação de doenças na região, devido ao excesso de acompanhantes de doentes, que têm sido entre seis e oito pessoas.

“Estamos a lutar muito para que os acompanhantes levem os doentes e os deixem no hospital e não fiquem por aqui”, disse o diretor do Departamento de Prevenção e Controlo de Doenças do Hospital Provincial de Nampula, Afonso Amone.

O número elevado de pessoas que levam familiares doentes ao hospital representa um risco de propagação de doenças contagiosas, alertou Amone.

“Podem apanhar uma tuberculose ou uma meningite, por exemplo”, afirmou.

Os familiares dos doentes devem confiar que o hospital é um local de cura, continuou, sugerindo que o elevado número de acompanhantes pode ter a ver com o receio de que os pacientes tenham sido vítimas de maus-tratos nas unidades de saúde.

Os acompanhantes aglomeram-se nos pátios e imediações dos hospitais moçambicanos à espera de notícias sobre a evolução da situação dos seus familiares internados.

São frequentes relatos de maus-tratos a doentes nos hospitais moçambicanos.

O Hospital Provincial de Nampula conta com 600 camas e 1.800 trabalhadores.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

Guadalupe Simões: “Reunião apenas serviu para o Ministério da Saúde promover essa chantagem tentando que nós suspendêssemos a greve”

A reunião entre o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) e o Ministério da Saúde “correu muito mal”. Na quinta-feira, “o Ministério da Saúde procurou chantagear o sindicato dizendo que só negociava se a greve fosse suspensa”, contou ao HealthNews Guadalupe Simões, dirigente do SEP, que, por esse motivo, pelos enfermeiros, pelos doentes e pelo SNS, espera que haja uma forte adesão à greve nacional de 2 de agosto.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights