Davide Carvalho deu a Última Lição na FMUP

28 de Janeiro 2023

Foi perante uma Aula Magna repleta de amigos, familiares, académicos, médicos e estudantes que, no passado dia 17 de janeiro, Davide Carvalho deu a sua última aula enquanto professor da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP).

Intitulada “Gemidos da Alma e Soluços do Corpo – mensagens de um sistema regulador”, esta “Lição de Jubilação” assinalou o culminar de um percurso notável como professor universitário, além de médico endocrinologista e investigador de renome.

Antes da lição propriamente dita, Davide Carvalho reservou as primeiras palavras para múltiplos agradecimentos. “Quebrando o protocolo”, como o próprio afirmou, solicitou a quatro colegas presentes na plateia que se juntassem a ele para, em representação de cada um, recordar e agradecer a todos os colegas que o acompanharam desde os tempos da faculdade, bem como a todos os profissionais com quem trabalhou ao longos de dezenas de anos de prática clínica.

Seguiu-se então uma viagem” pelo mundo da endocrinologia, a especialidade que acompanha a vida profissional de Davide Carvalho há mais de 35 anos. Ao longo de cerca de meia hora, o agora professor jubilado da FMUP apresentou uma introdução ao sistema endócrino, abordando as “mensagens do sistema muitas vezes esquecidas”, bem como os perigos do uso generalizado de produtos químicos para a humanidade.

A aula de Davide Carvalho não terminou sem antes projetar o que poderão ser as perspetivas futuras da área, nomeadamente, o desenvolvimento de novas estratégias e as modificações dietéticas e comportamentais, mas também “os desafios acarretados pela inteligência artificial e das potencialidades que podem ser aplicadas na medicina”.

A abertura da sessão ficou a cargo de Altamiro da Costa Pereira, que lembrou que esta é “uma celebração que a Faculdade tanto preza e que tantas memórias constituiu no passado da instituição”.

O diretor da FMUP comparou a Última Lição a um tributo àqueles que deram uma parte da sua vida profissional à Academia, sublinhando o papel de excelência que Davide Carvalho desempenhou em prol do ensino e da investigação “nesta casa”.

A sessão contou ainda com um breve discurso deFrancisco Cruz, que aproveitou a sua alocução para falar sobre os seus primeiros tempos enquanto monitor na Faculdade de Medicina, recordando o importante apoio e a ajuda que Davide Carvalho prestou na fase em ele próprio iniciava o seu percurso na docência universitária.

“O Davide Carvalho teve uma carreira notável, da qual se pode orgulhar tanto na vertente de médico, como de professor e cientista”, destacou o subdiretor da FMUP.

Na qualidade de diretor do departamento de Medicina, Manuel Pestana teceu igualmente algumas palavras aludindo aos méritos do professor jubilado, sublinhando o seu prestígio pedagógico, científico e profissional, “que o dignificam não só a ele, como à própria instituição”, não sem antes terminar com uma menção ao “seu exemplo na relação que mantinha com todas as pessoas”.

notícia publicada em FMUP

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

Guadalupe Simões: “Reunião apenas serviu para o Ministério da Saúde promover essa chantagem tentando que nós suspendêssemos a greve”

A reunião entre o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) e o Ministério da Saúde “correu muito mal”. Na quinta-feira, “o Ministério da Saúde procurou chantagear o sindicato dizendo que só negociava se a greve fosse suspensa”, contou ao HealthNews Guadalupe Simões, dirigente do SEP, que, por esse motivo, pelos enfermeiros, pelos doentes e pelo SNS, espera que haja uma forte adesão à greve nacional de 2 de agosto.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights