Estudo recebe financiamento de 2 ME para perceber como o cérebro da mosca-da–fruta calcula e corrige os erros de trajetória

31 de Janeiro 2023

Uma investigação desenvolvida por uma neurocientista da Fundação Champalimaud recebeu financiamento de 2 milhões de euros para perceber como o cérebro da mosca-da–fruta calcula e corrige os erros de trajetória.

Através de uma nota de imprensa hoje divulgada, a Fundação Champalimaud salientou que “esta investigação poderá ter implicações não só em termos da compreensão das bases neurais das perturbações motoras humanas, mas também para a construção de robôs capazes de se deslocar melhor em ambientes imprevisíveis.”

Para estudar a locomoção das moscas, a equipa desenvolveu um set up experimental que as coloca num ambiente de realidade virtual no qual podem deslocar-se livremente.

Com a ajuda do novo financiamento, um dos objectivos da equipa é perceber, ao nível neuronal, de onde vem a capacidade de estimar o desvio do corpo.

A equipa quer também perceber como a mosca decide, com base na estimativa de erro feita pelo seu cérebro, corrigir esse erro virando o corpo de uma determinada maneira.

De acordo com Eugenia Chiappe, investigadora principal do Laboratório de Integração Sensório-Motora da Fundação Champalimaud, foi descoberto “que certas populações de neurónios, que recebem sinais da medula espinal do inseto, são cruciais para esse processo de tomada de decisão. Isto porque, quando são silenciados [com métodos genéticos], a relação entre o erro de desvio e a magnitude e direção da sacada seguinte da mosca desaparece”.

Os investigadores têm portanto um segundo objetivo: perceber – mais uma vez ao nível neural – como a mosca, depois de integrar a informação fornecida pelo cérebro sobre o desvio de trajetória, toma uma decisão que incide sobre a sua próxima viragem de forma a corrigir esse erro.

“Sabemos muito pouco sobre a forma como os organismos integram a informação proprioceptiva (a propriocepção é a perceção da posição das diversas partes do corpo), a informação visual e a informação vinda de outros sinais internos que têm a ver com a locomoção”, diz Chiappe.

O projeto recebeu financiamento do ERC Consolidator Grant.

PR/HN/VC

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Guilherme Veríssimo: “A saúde começa pela boca”

A evidência científica comprova que a má saúde oral está diretamente relacionada com 23 doenças sistémicas, entre elas a diabetes e as doenças cardiovasculares, e cinco tipos de cancro. Esta realidade pode surpreender a maior parte da população, mas não os dentistas. Em entrevista ao nosso jornal, o Médico Dentista, Guilherme Veríssimo, frisa que a “saúde oral não se resume a uma questão estética”, deixando alguns alertas para a importância da correta higienização dos dentes. O médico dentista aproveitou ainda para desmistificar alguns dos principais mitos associados à doença peridontal.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights