Elisabeth da Conceição Vilar Gregório Sousa: Enf.ª Especialista em Enfermagem de Reabilitação; Associação Portuguesa dos Enfermeiros de Reabilitação

A pessoa com deglutição comprometida: intervenção do enfermeiro especialista em Enfermagem de Reabilitação

06/19/2023

A deglutição é um processo fisiológico complexo, a capacidade para ingerir e deglutir os alimentos sólidos, líquidos está dependente da posição e função da orofaringe, esófago, nervos cranianos, cérebro e músculos. A deglutição apresenta duas funções vitais: a nutrição via oral e a proteção das vias aéreas (Cardoso et. al., 2011). É um processo sinérgico, composto por diferentes fases, mas intrinsecamente relacionadas, sequenciais e harmoniosas (Braga, 2016).  Qualquer alteração à normal dinâmica da deglutição pode conduzir à disfagia, sendo por vezes a primeira manifestação de determinadas doenças (Miller, 2008; Ferreira, 2018). A deglutição comprometida/disfagia ocorre se existir dificuldade ou alteração neste processo. A perturbação da deglutição está relacionada a algumas complicações, como o aumento de secreções que conduzem à obstrução das vias respiratórias e à pneumonia de aspiração, desidratação devido a alterações de hemoconcentração, medo e receio de comer ou de beber, perda de peso e má nutrição (Hoeman, 2011; Cordeiro & Menoita, 2012).

As estatísticas mundiais referem que a disfagia atinge 60% dos indivíduos idosos que sofrem de doença degenerativa e 30 a 40% daquele que apresentam défices sequelares a um AVC. Portanto, é considerado um problema pertinente para a realidade demográfica e clínica dos utentes internados. A disfagia pode ocorrer em qualquer idade e ter diferentes fatores causais (Chaves et al., 2013). No entanto, estas são agrupadas em causas mecânicas e neurológicas. Encontramos também a disfagia associada ao processo de envelhecimento (presbifagia) e distúrbios gastroenterológicos. Pode ainda ser classificada em disfagia orofaríngea ou esofágica, sendo a orofaríngea a única em que os Enfermeiros de Reabilitação intervêm.

As competências da Enfermagem de Reabilitação abrangem a avaliação e reeducação da deglutição. É missão dos Enfermeiros Especialistas em Enfermagem de Reabilitação (EEER), garantir a manutenção das capacidades funcionais dos utentes, prevenir complicações e evitar incapacidades, melhorar as funções residuais, manter ou recuperar a independência nas atividades de vida e minimizar o impacto das incapacidades instaladas (Ordem dos Enfermeiros, 2011). A avaliação da deglutição permite ao EEER   identificar possíveis alterações na deglutição e detém um papel fundamental na identificação e determinação da consistência segura dos alimentos e líquidos, promovendo maior segurança no autocuidado alimentar-se e prevenir complicações.

A disfagia conduz a implicações importantes na pessoa ao nível da nutrição (desnutrição, medo de comer), hidratação (desidratação, medo de beber) e ao nível da saúde pulmonar (WGO, 2014) em que metade dos doentes com disfagia sofre aspiração (Robbins, 2008), e estima-se que destes, cerca de metade, o fazem de forma silenciosa, sem sinais evidentes de disfagia. Além de fator de comorbilidade, a disfagia prolonga o tempo de internamento hospitalar, e consequentemente aumenta o custo de internamento por doente (Santoro, 2008; Almeida et al. 2016) e o risco de mortalidade (Rofes, 2010). Desta forma, a avaliação precoce e rotineira da deglutição, bem como a aplicação de intervenções específicas (compensatórias e terapêuticas) parecem proporcionar um nível mais seguro de cuidados, e reduzir a incidência de complicações relacionadas com a disfunção (Marques, André e Rosso, 2008; Wener, 2010). É importante referir que existem muitos instrumentos validados para a avaliação da disfagia de uma forma não invasiva, no entanto, qual o mais adequado permanece por clarificar (Braga, 2016).

As perturbações da deglutição representam uma causa de morbilidade e mortalidade importante, e as evidências científicas apontam para a importância da deteção precoce destas perturbações.  Os Enfermeiros têm um papel crucial junto das pessoas com alterações do padrão de deglutição e familiares/cuidadores, podendo mesmo ser os primeiros técnicos de saúde a detetarem a existência de um problema.

Uma vez concluída a avaliação da deglutição e rasteio da disfagia através de instrumentos de rastreio são formulados diagnósticos de enfermagem e definidas intervenções especificas de Enfermagem de Reabilitação, traçado um plano de intervenção e reabilitação personalizado e individualizado, atendendo a cada pessoa. A elaboração e implementação de um programa de avaliação e reabilitação da pessoa com alterações da deglutição, por parte do EEER constitui uma mais-valia tanto para o utente, quanto para a melhoria da qualidade dos cuidados de enfermagem.  Muitas destas complicações podiam ser prevenidas e minimizadas se existisse um maior conhecimento do assunto e uma avaliação frequente da disfagia nos utentes internados. É evidente que as intervenções de enfermagem na avaliação inicial à pessoa com potencial risco de aspiração contribuem para ganhos em saúde para a população e melhoria da qualidade de vida da pessoa e da qualidade das intervenções dos enfermeiros.

A disfagia é uma realidade bem presente nos nossos utentes; é primordial desenvolver fluxogramas e/ou protocolos de atuação que possibilitam uma avaliação rápida e eficaz desta disfunção, permitir uniformizar cuidados e procedimentos de toda a equipe multidisciplinar.

Um rastreio eficaz da deglutição comprometida, assim como providenciar intervenções apropriadas, atempadas e a adoção de estratégias adequadas permitem uma alimentação por via oral com segurança afim de reduzir/prevenir riscos de aspiração, ou seja, acrescentando qualidade de vida à pessoa e família.

 

2 Comments

  1. Antonio Parreira

    Por favor, onde se encontra este artigo publicado?

  2. Miguel Mauritti

    Caro Leitor,

    Este é o artigo. As referências ao mesmo surgem junto às afirmações feitas

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Guilherme Veríssimo: “A saúde começa pela boca”

A evidência científica comprova que a má saúde oral está diretamente relacionada com 23 doenças sistémicas, entre elas a diabetes e as doenças cardiovasculares, e cinco tipos de cancro. Esta realidade pode surpreender a maior parte da população, mas não os dentistas. Em entrevista ao nosso jornal, o Médico Dentista, Guilherme Veríssimo, frisa que a “saúde oral não se resume a uma questão estética”, deixando alguns alertas para a importância da correta higienização dos dentes. O médico dentista aproveitou ainda para desmistificar alguns dos principais mitos associados à doença peridontal.

INEM esclarece que chamadas via 112 são descentralizadas

O INEM esclareceu que as chamadas que dão entrada via 112 para o Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) são descentralizadas, avançando que hoje de manhã estavam ao serviço 48 técnicos, 24 dos quais em atendimento.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights