Jovem desaparecido no rio Douro resgatado sem vida

23 de Junho 2023

O corpo do rapaz de 18 anos que desapareceu quinta-feira no rio Douro, junto à praia do Areinho, em Vila Nova de Gaia, foi encontrado hoje, sem vida, disse à Lusa fonte dos Bombeiros Sapadores locais.

Os bombeiros foram “acionados pelas 02:15”, com “alguns dos meios a serem desmobilizados, após o corpo ser resgatado, a metro e meio de profundidade, para a margem”, permanecendo no local elementos da Polícia Marítima a aguardar pela Polícia Judiciária, adiantou a mesma fonte.

“O corpo resgatado era em tudo idêntico à fotografia que tínhamos em nossa posse”, acrescentou, explicando que a identificação oficial será realizada pelas autoridades policiais.

Para o local foram mobilizados mergulhadores dos Bombeiros Sapadores de Vila Nova de Gaia, operacionais dos Bombeiros Voluntários de Avintes e uma Viatura Médica de Emergência e Reanimação e respetiva equipa. No local esteve ainda uma psicóloga para prestar apoio à família do jovem desaparecido.

O alerta para o desaparecimento tinha sido dado pouco depois das 17:00 de quinta-feira.

O jovem encontrava-se na praia com amigos e a namorada, tendo desaparecido “após ter ajudado a namorada, que se encontrava em apuros”, de acordo com os bombeiros.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights