Proteína C-reactiva reduz a resposta imunitária em doenças inflamatórias

2 de Setembro 2023

Cientistas da Universidade de Linköping, na Suécia, descobriram que uma das duas formas da proteína C-reativa (CRP) tem uma função benéfica no lúpus eritematoso sistémico (LES).

A função biológica da proteína C-reativa (CRP) era até agora desconhecida. Investigadores da Universidade de Linköping, na Suécia, mostram que esta proteína tem uma função benéfica no lúpus eritematoso sistémico (LES), uma doença inflamatória. Mas isto só é verdade para uma das duas formas da CRP, de acordo com o estudo publicado no Journal of Autoimmunity.

A maioria de nós já fez uma análise da CRP em mais do que uma ocasião. Este é um teste de saúde de rotina muito comum, utilizado para detetar infeção ou inflamação sistémica no corpo. O que é medido é o nível de proteína C-reativa, ou CRO, para abreviar.

“A CRP é uma proteína antiga e proteínas semelhantes podem ser encontradas em todos os animais, mesmo em organismos primitivos. Quando uma proteína tem sido tão bem preservada ao longo da evolução, isto geralmente significa que tem uma função importante. A CRP é muito utilizada nos cuidados clínicos como marcador de inflamação contínua, mas poucos estudaram os seus efeitos biológicos”, diz Christopher Sjöwall, professor associado sénior no Departamento de Ciências Biomédicas e Clínicas, BKV, na Universidade de Linköping, LiU, e consultor na Clínica de Reumatologia em Östergötland.

“A CRP é uma proteína antiga e proteínas semelhantes podem ser encontradas em todos os animais, mesmo em organismos primitivos. Quando uma proteína tem sido tão bem preservada ao longo da evolução, isto geralmente significa que tem uma função importante, afirma Christopher Sjöwall, professor associado sénior no Departamento de Ciências Biomédicas e Clínicas, BKV, na Universidade de Linköping, LiU

Christopher Sjöwall passou muitos anos a investigar o lúpus eritematoso sistémico, LES, uma doença inflamatória crónica. Explicada de forma simples, trata-se de uma doença em que o sistema imunitário do corpo começa a reagir ao próprio corpo, ou seja, a uma doença auto-imune. Uma dessas reações é a formação de anticorpos, chamados auto-anticorpos, que visam os constituintes endógenos. Mas em casos de LES, quando a atividade inflamatória no corpo é elevada, os doentes com LES têm um nível de CRP inferior ao que seria de esperar. Estudos anteriores em animais com doença propensa a lúpus, mostraram que a adição de CRP pode resultar numa doença mais leve e níveis mais baixos de auto-anticorpos, o que sugere que a CRP também poderia ter uma função benéfica no LES humano, embora a razão para tal não tenha sido clara.

Um dos principais agentes do LES é uma proteína de sinalização chamada “interferão de tipo I”. O interferão é normalmente um componente muito importante na proteção do corpo contra infeções. Os níveis de interferão aumentam rapidamente nas primeiras horas após a infeção e abrandam-na, por exemplo, tornando mais difícil a proliferação de vírus. Os níveis de interferão devem baixar após algum tempo. Mas em algumas doenças, tais como o LES, o interferão permanece no sistema durante demasiado tempo e causa danos.

“Mostrámos um mecanismo que é provavelmente bastante importante, onde a relativa falta de CRP em doentes com LES com elevada atividade de doença leva a uma elevada atividade de interferão”, diz Christopher Sjöwall.

No seu estudo, os investigadores examinaram o impacto sobre o interferão e outras proteínas de sinalização causadas por complexos imunitários específicos de CRP e LES formados por auto-anticorpos que reagiram com material de células mortas. Uma coisa que estudaram foi o que aconteceu quando o soro de doentes com LES com níveis variáveis de CRP foi adicionado às células saudáveis. Descobriram que havia mais interferão quando os níveis de CRP eram baixos em comparação com quando eram altos, o que interpretam como sendo o CRP que contribui para reduzir a resposta ao interferão.

“A descoberta de que a forma de pentâmetro do CRP pode suprimir a resposta imunitária é interessante também no contexto de outras doenças, tais como várias doenças virais”, diz Marie Larsson, professora de virologia em BKV na LiU

Verificou-se também que a forma do CRP é importante, algo que os investigadores de Linköping foram os primeiros a mostrar. A proteína consiste em cinco unidades idênticas (forma de pentagrama), que podem dividir-se e funcionar independentemente (forma de monómero). E os investigadores descobriram que é apenas a forma de pentagrama CRP que reduz a atividade do interferão.

“A descoberta de que a forma de pentâmetro do CRP pode suprimir a resposta imunitária é interessante também no contexto de outras doenças, tais como várias doenças virais”, diz Marie Larsson, professora de virologia em BKV na LiU e um dos outros investigadores responsáveis pelo estudo.

Estas descobertas abrem novas perspetivas à investigação de medicamentos para reduzir complexos imunitários e níveis elevados de interferão. Mas como o interferão desempenha um papel fundamental na defesa do organismo contra infeções, o tratamento do LES e doenças similares é um ato de equilíbrio constante e é necessária mais investigação para encontrar estratégias de tratamento ótimas.

O estudo foi financiado pelo Conselho Sueco de Investigação, pela Fundação do Aniversário de 80 anos do Rei Gustaf V e pela Associação Sueca de Reumatismo.

 

NR/HN/AlphaGalileo

 

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

ULS de Braga celebra protocolo com Fundação Infantil Ronald McDonald

A ULS de Braga e a Fundação Infantil Ronald McDonald assinaram ontem um protocolo de colaboração com o objetivo dar início à oferta de Kits de Acolhimento Hospitalar da Fundação Infantil Ronald McDonald aos pais e acompanhantes de crianças internadas nos serviços do Hospital de Braga.

DE-SNS mantém silêncio perante ultimato da ministra

Após o Jornal Expresso ter noticiado que Ana Paula Martins deu 60 dias à Direção Executiva do SNS (DE-SNS) para entregar um relatório sobre as mudanças em curso, o HealthNews esclareceu junto do Ministério da Saúde algumas dúvidas sobre o despacho emitido esta semana. A Direção Executiva, para já, não faz comentários.

FNAM lança aviso a tutela: “Não queremos jogos de bastidores nem negociatas obscuras”

A Federação Nacional dos Médicos (FNAM) disse esta sexta-feira esperar que, na próxima reunião com o Ministério da Saúde, “haja abertura para celebrar um protocolo negocial”. Em declarações ao HealthNews, Joana Bordalo e Sá deixou um alerta à ministra: ” Não queremos jogos de bastidores na mesa negocial. Não queremos negociatas obscuras.”

SNE saúda pedido de relatório sobre mudanças implementadas na Saúde

O Sindicato Nacional dos Enfermeiros (SNE) afirmou, esta sexta-feira, que vê com “bons olhos” o despacho, emitido pela ministra da Saúde, que solicita à Direção-Executiva do Serviço Nacional de Saúde (DE-SNS) um relatório do estado atual das mudanças implementadas desde o início de atividade da entidade.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights