Pizarro manifesta “muita expectativa” de aproximação com sindicatos e critica PSD

10 de Setembro 2023

O ministro da Saúde manifestou hoje “muita expectativa” de que será possível aproximar posições nas negociações entre sindicatos e Governo, acusando o PSD de querer resolver a falta de médicos de família com “uma espécie de ‘ChatGPT’”.

“Tenho muita expectativa que será possível aproximar as posições o suficiente para que nós possamos prosseguir com o apoio e a participação ativa dos profissionais”, defendeu Manuel Pizarro, na Academia Socialista, que termina no domingo, em Évora.

Num painel intitulado “SNS: que futuro?”, no qual também participou a antiga ministra da Saúde Ana Jorge, Pizarro detalhou que está em causa uma proposta que “por um lado, nos cuidados de saúde primários, tem a generalização das Unidades de Saúde Familiar (USF) modelo B como elemento essencial, e nos hospitais a generalização do trabalho em dedicação plena”, com um “aumento significativo” de remuneração associado.

Depois de explicar algumas das medidas que o executivo tem tomado na área da saúde, Pizarro reservou a parte final da sua intervenção para lançar algumas críticas à direita, sobretudo ao PSD.

“Eu estive a ler atentamente as propostas do PSD para resolver os problemas do SNS e percebi mais ou menos que a solução do doutor Luís Montenegro para as pessoas que não têm equipa de saúde familiar era uma espécie de ChatGPT [modelo de inteligência artificial generativa]: em vez de médico, telefona”, atirou.

Pizarro fazia referência a uma das propostas apresentadas em julho pelo PSD, consideradas pelos sociais-democratas como estruturais para fazer “uma transformação profunda do SNS num verdadeiro Sistema Nacional de Saúde” e que incluía um “médico de família digital” para três milhões de portugueses, entre outras.

O ministro da Saúde respondeu também às críticas de que o PS tem “preconceito ideológico” no que toca ao setor.

“Eu devo dizer que eu tenho mesmo um preconceito ideológico sobre o SNS, eles têm razão. É o preconceito de quem quer assegurar que todos os portugueses, qualquer que seja a sua condição económica e qualquer que seja o sítio onde vivem, têm acesso a cuidados de saúde sofisticados”, considerou.

Pizarro realçou que “por mais que os dirigentes políticos da direita se queiram apagar dessa fotografia, convém lembrar que quando a lei do SNS foi aprovada na Assembleia da República, o PSD e o CDS votaram contra”.

“E se quando eles se referem a preconceito ideológico nos querem acusar de nós prescindirmos da colaboração de outros setores, do setor privado ou do setor social, de forma complementar quando isso é adequado, para desenvolver o SNS também não compreendo do que estão a falar”, continuou.

Na opinião de Pizarro, “é caso para perguntar” aos dirigentes da oposição, sobretudo o PSD, quantos hospitais “em regime de parceria público privada lançaram concurso”, porque “todos os que já houve, quem lançou os concursos e assinou os contratos foram governos do PS”.

“Em matéria de assegurar que na saúde exista desenvolvimento do SNS e cooperação quando isso se mostrar adequado, de forma complementar com o setor privado ou o setor solidário, o PSD fala, fala, fala mas nunca fez nada”, acusou.

Na sua intervenção, a antiga ministra da Saúde Ana Jorge considerou importante que os jovens tenham consciência de que existe a possibilidade de trabalhar em rede e com o setor social e privado, mas, frisou, “não é indiferente quem presta cuidados de saúde”.

“É preciso não nos deixarmos iludir”, avisou.

Na sexta-feira, Manuel Pizarro mostrou-se surpreendido por não ter sido possível chegar a acordo com as organizações sindicais dos médicos, afirmando esperar que haja “uma oportunidade para o diálogo” e de “aproximação de posições”.

Estas negociações iniciaram-se em 2022, mas não tem havido consenso.

Uma nova reunião negocial extraordinária foi marcada para terça-feira.

LUSA/HN

 

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

ULS de Braga celebra protocolo com Fundação Infantil Ronald McDonald

A ULS de Braga e a Fundação Infantil Ronald McDonald assinaram ontem um protocolo de colaboração com o objetivo dar início à oferta de Kits de Acolhimento Hospitalar da Fundação Infantil Ronald McDonald aos pais e acompanhantes de crianças internadas nos serviços do Hospital de Braga.

DE-SNS mantém silêncio perante ultimato da ministra

Após o Jornal Expresso ter noticiado que Ana Paula Martins deu 60 dias à Direção Executiva do SNS (DE-SNS) para entregar um relatório sobre as mudanças em curso, o HealthNews esclareceu junto do Ministério da Saúde algumas dúvidas sobre o despacho emitido esta semana. A Direção Executiva, para já, não faz comentários.

FNAM lança aviso a tutela: “Não queremos jogos de bastidores nem negociatas obscuras”

A Federação Nacional dos Médicos (FNAM) disse esta sexta-feira esperar que, na próxima reunião com o Ministério da Saúde, “haja abertura para celebrar um protocolo negocial”. Em declarações ao HealthNews, Joana Bordalo e Sá deixou um alerta à ministra: ” Não queremos jogos de bastidores na mesa negocial. Não queremos negociatas obscuras.”

SNE saúda pedido de relatório sobre mudanças implementadas na Saúde

O Sindicato Nacional dos Enfermeiros (SNE) afirmou, esta sexta-feira, que vê com “bons olhos” o despacho, emitido pela ministra da Saúde, que solicita à Direção-Executiva do Serviço Nacional de Saúde (DE-SNS) um relatório do estado atual das mudanças implementadas desde o início de atividade da entidade.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights