Joana Albuquerque 1, Mónica Nave 1 1 Departamento de Oncologia Médica, Hospital da Luz de Lisboa

Impacto do exercício físico no cancro da mama

09/27/2023

 

 

 

Mónica Nave

Joana Albuquerque

O cancro da mama (CM) é a neoplasia mais frequente na mulher e a 2ª causa de morte por cancro no mundo1. São fatores de risco para CM a idade, história pessoal/familiar de CM, ocorrência de mutações relacionadas com síndromes hereditárias (nomeadamente nos genes BRCA 1/2), maior exposição a estrogénios (menarca precoce, menopausa tardia, uso de anticontracetivos orais, terapêutica hormonal de substituição) e excesso de peso/obesidade2. Este último constitui um fator de risco modificável, sobretudo em mulheres pós-menopáusicas com tumores com recetores de estrogénio positivos, associando-se a um aumento do risco relativo de CM de 1,1x por cada 5 unidades acima do índice de massa corporal (IMC) normal2-5. O aumento da conversão periférica dos percussores de estrogénio a estrogénio no tecido adiposo é um dos mecanismos descritos e que explica que, em mulheres com IMC normal e índice de massa gorda aumentado, haja aumento do risco de CM6-7. Em Portugal, 29% dos indivíduos entre os 25-74 anos são obesos, e apenas 42% da população pratica exercício físico regular8. Para além das implicações a nível cardiovascular, no doente com cancro, a obesidade associa-se a um aumento do risco de recidiva, influencia o tipo de cirurgia e relaciona-se com um período pós-operatório mais prolongado com maior risco de complicações (atraso na cicatrização, aumento dos eventos tromboembólicos e risco de linfedema)9.
O exercício físico mostrou ser benéfico e seguro na prevenção e tratamento do CM, independentemente da fase da doença, melhorando os sintomas relacionados com o tratamento e a qualidade de vida. A prática de atividade física associou-se a uma redução do risco relativo de CM em 12%, independentemente do status hormonal10 e mostrou diminuir o risco relativo de morte por CM em 50%, sobretudo em mulheres com tumores com recetores hormonais positivos, que praticam o equivalente a 3-5h de caminhada/semana11. Os benefícios observados são explicados, em parte, pela diminuição do tecido adiposo e do nível de hormonas envolvidas na fisiopatologia do cancro (estrogénio, insulina, insulin growth factor, leptina), juntamente com efeito o imunomodulador do exercício, com diminuição da inflamação e do stress oxidativo12.
A deteção precoce, pelos programas de rastreio, e a melhoria da eficácia dos tratamentos, têm permitido uma melhoria do prognóstico desta doença. No entanto, os tratamentos associam-se a efeitos secundários limitantes, tais como a fadiga e astenia, perda de massa muscular e ganho ponderal, perda de massa óssea e osteoporose precoce, neuropatia periférica e linfedema (sobretudo em doentes submetidas a esvaziamento ganglionar e agravado pela obesidade), insónia, ansiedade e depressão, que condicionam um aumento da morbilidade13. Em Espanha, a implementação de um programa de telereabilitação em mulheres com CM após quimioterapia (QT) adjuvante, reportou uma melhoria do estado de saúde físico e cognitivo, dos sintomas relacionados com a braço do lado intervencionado (p<0,01) e da dor (p=0,001)14. O OptiTrain Breast Cancer Trial mostrou que, apesar da taxa de conclusão da QT adjuvante e a relação dose-intensidade terem sido sobreponíveis, as doentes que realizaram treino de resistência combinado com alta intensidade – RT HIIT – tiveram uma diminuição de 3% de hospitalizações e de 27% de trombocitopenia, bem como melhoria da massa muscular, resistência e fitness (também observado no grupo que realizou treino aeróbico combinado com HIIT – AT HIIT)15.
Os benefícios do exercício físico no doente com cancro da mama são vastos, com estudos a comprovarem melhoria na qualidade de vida, depressão, sono e da fadiga (relação dose-resposta, sobretudo se acompanhados de apoio psicológico); na prevenção e tratamento do linfedema, com os exercícios de resistência a mostrarem maior benefício (efeito sinérgico com a perda de peso); e, na saúde óssea, especialmente com os exercícios de alto impacto (com precauções nos doentes mais velhos, com metástases ósseas, alterações do equilíbrio e patologia osteoarticular). Os dados relativos ao impacto do exercício nas náuseas induzidas pela QT, dor, cognição, cardiotoxicidade e função sexual são escassos, parecendo ser benéfica a aplicação de programas de exercício combinado. As guidelines atuais recomendam exercícios aeróbios (150min/semana) combinados com treino de força (2-3x/semana), em planos adaptados ao doente, doença e tratamento13,16-20.
A prática de atividade física deve, assim, ser recomendada e incentivada pela equipa médica e acompanhada por profissionais do exercício. A inclusão em programas comunitários/grupo é uma opção a considerar, com maior taxa de adesão e eficácia.

 

BIBLIOGRAFIA:

(1) Sung H, Ferlay J, Siegel RL, et al. Global Cancer Statistics 2020: GLOBOCAN Estimates of Incidence and Mortality Worldwide for 36 Cancers in 185 Countries. CA Cancer J Clin. 2021;71(3):209-249. doi:10.3322/caac.21660
(2) Cardoso F, Kyriakides S, Ohno S, et al. Early breast cancer: ESMO Clinical Practice Guidelines for diagnosis, treatment and follow-up† [published correction appears in Ann Oncol. 2019 Oct 1;30(10):1674] [published correction appears in Ann Oncol. 2021 Feb;32(2):284]. Ann Oncol. 2019;30(8):1194-1220. doi:10.1093/annonc/mdz173
(3) Lahmann PH, Hoffmann K, Allen N, et al. Body size and breast cancer risk: findings from the European Prospective Investigation into Cancer And Nutrition (EPIC). Int J Cancer. 2004;111(5):762-771. doi:10.1002/ijc.20315
(4) Eliassen AH, Colditz GA, Rosner B, et al. Adult weight change and risk of postmenopausal breast cancer. JAMA. 2006;296(2):193-201. doi:10.1001/jama.296.2.193
(5) Lauby-Secretan B, Scoccianti C, Loomis D, et al. Body Fatness and Cancer–Viewpoint of the IARC Working Group. N Engl J Med. 2016;375(8):794-798. doi:10.1056/NEJMsr1606602
(6) Key TJ, Appleby PN, Reeves GK, et al. Body mass index, serum sex hormones, and breast cancer risk in postmenopausal women. J Natl Cancer Inst. 2003;95(16):1218-1226. doi:10.1093/jnci/djg022
(7) Neuhouser ML, Aragaki AK, Prentice RL, et al. Overweight, Obesity, and Postmenopausal Invasive Breast Cancer Risk: A Secondary Analysis of the Women’s Health Initiative Randomized Clinical Trials. JAMA Oncol. 2015;1(5):611-621. doi:10.1001/jamaoncol.2015.1546
(8) Inquérito Nacional de Saúde 2019 (INS 2019) – disponível em www.INE.pt. Consultado a 23 de Agosto de 2023.
(9) Spyropoulos C, Bakellas G, Skroubis G, et al. A prospective evaluation of a variant of biliopancreatic diversion with Roux-en-Y reconstruction in mega-obese patients (BMI > or = 70 kg/m(2)). Obes Surg. 2008;18(7):803-809. doi:10.1007/s11695-008-9449-3
(10) Ruiz-Casado A, Martín-Ruiz A, Pérez LM, et al. Exercise and the Hallmarks of Cancer. Trends Cancer. 2017;3(6):423-441. doi:10.1016/j.trecan.2017.04.007.
(11) Holmes MD, Chen WY, Feskanich D,et al. Physical activity and survival after breast cancer diagnosis. JAMA. 2005;293(20):2479-2486. doi:10.1001/jama.293.20.2479.
(12) Winzer BM, Whiteman DC, Reeves MM et al. Physical activity and cancer prevention: a systematic review of clinical trials. Cancer Causes Control. 2011;22(6):811-826. doi:10.1007/s10552-011-9761-4
(13) Ferioli M, Zauli G, Martelli AM, et al. Impact of physical exercise in cancer survivors during and after antineoplastic treatments. Oncotarget. 2018;9(17):14005-14034. Published 2018 Feb 8. doi:10.18632/oncotarget.24456
(14) Galiano-Castillo N, Cantarero-Villanueva I, Fernández-Lao C, et al. Telehealth system: A randomized controlled trial evaluating the impact of an internet-based exercise intervention on quality of life, pain, muscle strength, and fatigue in breast cancer survivors. Cancer. 2016;122(20):3166-3174. doi:10.1002/cncr.30172
(15) Mijwel S, Bolam KA, Gerrevall J, et al. Effects of Exercise on Chemotherapy Completion and Hospitalization Rates: The OptiTrain Breast Cancer Trial. Oncologist. 2020;25(1):23-32. doi:10.1634/theoncologist.2019-0262
(16) Campbell KL, Winters-Stone KM, et al. Exercise Guidelines for Cancer Survivors: Consensus Statement from International Multidisciplinary Roundtable. Med Sci Sports Exerc. 2019;51(11):2375-2390. doi:10.1249/MSS.0000000000002116
(17) Ligibel JA, Bohlke K, May AM, et al. Exercise, Diet, and Weight Management During Cancer Treatment: ASCO Guideline. J Clin Oncol. 2022;40(22):2491-2507. doi:10.1200/JCO.22.00687
(18) Hayes SC, Newton RU, Spence RR, Galvão DA. The Exercise and Sports Science Australia position statement: Exercise medicine in cancer management. J Sci Med Sport. 2019;22(11):1175-1199. doi:10.1016/j.jsams.2019.05.003
(19) Schmitz KH, Campbell AM, Stuiver MM, et al. Exercise is medicine in oncology: Engaging clinicians to help patients move through cancer. CA Cancer J Clin. 2019;69(6):468-484. doi:10.3322/caac.21579.

 

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

João Neto: “A exploração dos dentistas existe no privado e no público”

O presidente do Sindicatos dos Médicos Dentistas alertou que há profissionais a serem explorados, tanto no Serviço Nacional de Saúde, como nas clínicas privadas. João Neto, que diz que a medicina dentária sempre foi “o parente pobre da medicina”, exige a criação de uma carreira especial e o fim da precariedade. Ao HealthNews, o dirigente sindical dá conta de um conjunto de soluções. 

Serviços de urgência a funcionar com limitações na próxima semana

Trinta e três serviços de urgência em todo o país vão estar a funcionar com limitações na próxima semana, verificando-se uma “melhoria real” nas especialidades com constrangimentos, indicou hoje a Direção Executiva do Serviço Nacional de Saúde (DE-SNS).

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights