Paula Galvão Responsável da Rede Clínica da Médis

Dar luta ao Cancro

10/26/2023

O diagnóstico de cancro pode ser avassalador e desencadear uma série de reações emocionais, como medo, ansiedade, raiva, tristeza e incerteza sobre o futuro. Lutar contra o cancro é uma batalha emocional, física e psicológica que afeta não apenas o doente, mas também os seus familiares.

Cuidar de alguém com cancro pode ser emocionalmente desgastante, e é comum a sensação de impotência. Tanto o doente que recebe a notícia indesejável quanto as pessoas ao seu redor são afetadas, passando por fases de receio, descrença e necessidade de conforto e apoio para se tornarem pilares na luta contra a doença. São inúmeras as consequências desta patologia, que atinge ainda a autoestima e imagem do doente, devido aos efeitos colaterais dos tratamentos, como perda de cabelo, cicatrizes e alterações físicas.

Nessa jornada difícil, o apoio psicológico desempenha um papel fundamental para ajudar a enfrentar os desafios emocionais e mentais associados à doença. É assim necessário proporcionar um espaço para que o doente e os seus familiares expressem seus medos e preocupações, construindo resiliência emocional para enfrentar os desafios do tratamento. Isso inclui o desenvolvimento de estratégias para lidar com o stress e a ansiedade, com vista a melhorar a qualidade de vida e fortalecer a motivação para continuar o tratamento com confiança e esperança.

Mas não é necessário fazerem este caminho sozinhos. Os profissionais de saúde desempenham um papel fundamental, ajudando não só aceitar todas as mudanças, mas também a fornecer informações sobre a doença e seus tratamentos, apoiar doente e respetivos familiares e cuidadores e ainda a ensinar a cuidar de si próprio durante todo esse processo desafiador.

E é aqui que também entram em cena os seguros de saúde. São várias as seguradoras que disponibilizam condições especiais para doentes oncológicos, mas são raras as que incluem um acompanhamento mais personalizado, durante todas as fases da doença. E se analisarmos com atenção, bastam pequenos gestos – como responder a questões que o doente tem, ajudar a compreender o que está acontecer, oferecer apoio psicológico não só ao doente, como aos familiares e cuidadores – para fazer a diferença nesta fase difícil da vida.

Uma doença como esta não deve ser tratada de forma igual às outras. Certos processos não devem ser realizados sozinhos, mas sim com acompanhamento adaptado de equipas especializadas. Deve ser este o tipo de apoio a ser cada vez mais valorizado pela Sociedade.

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Quase um quarto dos médicos do SNS aderiram à dedicação plena

Quase 2.900 médicos aderiram voluntariamente à dedicação plena desde que entrou em vigor há dois meses, representando cerca de 24% do universo de 12 mil especialistas que trabalham nos hospitais do SNS, segundo dados oficiais avançados hoje à Lusa.

OMS saúda inclusão de aborto na Constituição francesa

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, saudou a aprovação da inclusão do direito à interrupção voluntária da gravidez na Constituição francesa, defendendo que o aborto seguro salva vidas.

Sistema TouchCare Nano: Quilaban apresenta solução para pessoas com diabetes tipo 1 em Portugal

“É o primeiro momento desta era de inovação que a Quilaban pretende introduzir na área da diabetes, que se pretende que não fique por aqui, e que traga outras soluções para o mercado que deem uma resposta ‘360º’ às dificuldades da pessoa com diabetes, sempre com o propósito de simplificar a sua vida.” Chama-se Sistema TouchCare Nano e foi apresentado em entrevista ao HealthNews por Patrícia Strubing Gomes, Diretora da Área de Negócio Farma da Quilaban, e Paula Nunes, Gestora de Produto Quilaban Diabetes.

José Manuel Boavida: “Era extremamente importante” que o próximo ministro da Saúde valorizasse os cuidados intermédios

O HealthNews esteve em fevereiro na associação de doentes com diabetes mais antiga do mundo para conversar com o seu presidente, José Manuel Boavida, sobre diabetes tipo 1. A APDP, acrónimo de Associação Protetora dos Diabéticos Pobres, hoje Associação Protetora dos Diabéticos de Portugal, foi fundada em 1926 por Ernesto Roma para dar insulina aos pobres. Situa-se entre os cuidados primários e os cuidados hospitalares.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights