Mãe que levou bebé do hospital de Faro proibida de se aproximar da filha

1 de Novembro 2023

A mulher que levou do berçário do hospital de Faro a filha recém-nascida, que estava sob proteção cautelar, está proibida de se aproximar daquele estabelecimento ou de qualquer outra instituição onde esteja a bebé, disse à Lusa fonte policial.

A mãe de bebé levou a menina num saco, na passada quinta-feira, daquela unidade do Centro Hospitalar Universitário do Algarve (CHUA), durante uma visita, mas foi localizada e detida na madrugada de terça-feira, assim como um homem que a ajudou.

Depois de ouvidos por um juiz de instrução criminal, foi decretada à mulher a medida de coação de proibição de se aproximar do hospital ou de outra instituição em que se encontre a bebé, enquanto o homem ficou sujeito a termo de identidade e residência.

A mãe da bebé, de 37 anos, levou a menina do hospital dentro de um saco, tendo depois sido conduzida por um homem, de 45 anos, até a casa de conhecidos, nos arredores de Faro, onde permaneceu com a recém-nascida durante os dias em que esteve desaparecida.

O responsável pela diretoria do Sul da PJ admitiu na terça-feira que o facto de a bebé ter nascido num hospital particular pode ter sido um plano da mãe para ficar com a criança e contornar as medidas cautelares de proteção decretadas pelo Tribunal de Família e Menores.

Em conferência de imprensa, Fernando Jordão referiu que a mulher tem uma outra criança que se encontra institucionalizada, estando referenciada pela Comissão de Proteção de Crianças e Jovens “por razões de incapacidade de tratamento da criança”.

A recém-nascida, com um mês, regressou ao hospital de Faro, permanecendo à guarda daquela unidade de saúde até que seja decidido o seu destino, por estar sujeita a medidas cautelares de proteção pelo Tribunal de Família.

Segundo uma nota enviada à Lusa pelo CHUA, a bebé encontrava-se no hospitalar no âmbito das medidas de promoção e proteção cautelar de crianças e jovens em risco, “mas sem motivo clínico e a aguardar decisão judicial sobre acolhimento definitivo”.

A mãe da bebé estava autorizada a visitar a recém-nascida, tendo o CHUA ativado “de imediato todos os protocolos de segurança, de comunicação e colaboração com as entidades competentes”.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Projeto liderado pela ESEnfC vence Prémio Erasmus+

O projeto europeu de capacitação para a prática de cuidados de enfermagem multiculturais, “MulticulturalCare”, liderado pela Escola Superior de Enfermagem de Coimbra (ESEnfC) e com coordenação da professora Ana Paula Monteiro, foi vencedor do Prémio Erasmus+ na categoria de Parcerias de Cooperação no Ensino Superior do ano 2023, foi anunciado na última terça-feira.

Sindepor vai impugnar concurso da ARS Norte

O Sindicato Democrático dos Enfermeiros (Sindepor) vai “contestar juridicamente a alteração súbita das regras de um concurso destinado à contratação de 61 enfermeiros para a Administração Regional de Saúde (ARS) do Norte”, divulgou hoje o Sindepor.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights