Álvaro Beleza: Salvar o SNS “é possível e faz-se”

18 de Janeiro 2024

Álvaro Beleza acredita no SNS e que é possível salvá-lo. Para o médico, ou acreditamos no que fazemos ou não vale a pena, e salvar o SNS “é possível e faz-se”. Foram palavras proferidas na conferência da Fundação para a Saúde, esta quarta-feira.

“Eu acho que os nossos filhos e netos não nos desculparão se nós não conseguirmos dar ao Serviço Nacional de Saúde a força, a capacidade que ele tem que ter para resolver os desafios que temos pela frente”, afirmou Álvaro Beleza. “Acho mesmo que isso é possível”, acrescentou.

Nisto, o SNS precisa da participação de todos; é preciso acreditar e entusiasmar-se com a possibilidade de o SNS melhorar, defendeu o Presidente do Conselho Coordenador da SEDES – Associação para o Desenvolvimento Económico e Social.

“Só depende de haver vontade, lideranças e se acreditar nos exemplos. E há vários exemplos de boa gestão com melhoria de cuidados”, e exemplos de como com os mesmos recursos ou até menos se consegue fazer mais, envolvendo os profissionais de saúde, segundo o médico.

Durante o debate, no Grande Auditório João Lobo Antunes da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, Álvaro Beleza sublinhou que o serviço de saúde público, universal e gratuito permite combater a desigualdade à nascença. Todos têm acesso ao melhor hospital, todos têm acesso ao melhor médico. “É de um avanço civilizacional extraordinário”, “como é também a escola pública”.

Para o médico, o dinheiro dos impostos de todos “tem que ser usado nos serviços públicos”.

“Não é para alimentar tudo, e neste momento nós temos um Estado que alimenta público, privado. Alimenta tudo”, explicou.

HN/RA

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Altamiro da Costa Pereira: “A Inteligência Artificial não passa de mais uma ferramenta à disposição do médico”

O impacto das tecnologias no ensino da Medicina e da prática clínica foi o tema escolhido para encerrar o ciclo de conversas conduzidas pelo professor catedrático, Jorge Polónia. Desta vez, e para terminar com ‘chave de oro’, o convidado foi o Diretor da Faculdade de Medicina do Porto, o Prof. Altamiro da Costa Pereira. O responsável destacou que apesar de a Inteligência Artificial ser uma ferramenta “poderosíssima”, esta “nos dá por si só novo conhecimento”, o que significa que “a investigação vai continuar a ser feita” e os médicos vão ser sempre necessários.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights