É preciso mais do que boas ciclovias para que as pessoas andem de bicicleta

4 de Fevereiro 2024

Para que mais pessoas andem de bicicleta, os planeadores urbanos têm de considerar outros fatores para além das infraestruturas, afirma uma investigadora da Universidade de Malmö.

“Por razões ambientais, entre outras, queremos que mais pessoas andem de bicicleta, mas hoje em dia o planeamento urbano centra-se mais naqueles que já andam de bicicleta e estão fisicamente aptos; procurando construir melhores ciclovias para que possam andar ainda mais depressa”, diz Zahra Hamidi.

Na sua tese, Examining Inequalities in Cycling Motility, Hamidi examina as atitudes em relação à bicicleta numa amostra representativa de residentes nas cidades suecas de Gotemburgo e Malmö. Um total de 1145 pessoas responderam a perguntas como: a disponibilidade de diferentes formas de transporte no agregado familiar, os hábitos de deslocação e as suas atitudes em relação à bicicleta e a considerações como a segurança.

“Se quisermos que mais grupos andem de bicicleta, não basta construir mais ciclovias”, diz Hamidi que está interessada em aspetos relacionados com as experiências individuais e atitudes em relação ao ciclismo. Na sua tese, Hamidi estuda as dimensões que definem o potencial de uma pessoa para andar de bicicleta: acesso a uma bicicleta, capacidade e conhecimentos para andar de bicicleta, se o ciclismo se enquadra na sua autoimagem, se existe uma visão positiva do ciclismo na sua rede social.

De acordo com Hamidi, o potencial para andar de bicicleta depende da acessibilidade, dos conhecimentos e das atitudes. Porque é que as pessoas optam por andar de bicicleta ou não. É o medo ou outras crenças que levam as pessoas a escolher outros meios de transporte?

“O estudo mostra que um rendimento mais elevado está associado a um maior potencial de utilização da bicicleta. Por exemplo, é necessário um smartphone para localizar estações de ancoragem de bicicletas municipais geridas por aplicações”.

Outros fatores incluem a idade, a saúde e o tipo de agregado familiar. O estudo mostra que as pessoas mais velhas têm menor potencial para andar de bicicleta e consideram as bicicletas menos adequadas às suas necessidades e capacidades. O estudo também mostra que os homens geralmente relatam um nível mais alto de habilidades de ciclismo do que as mulheres.

Hamidi acredita que os responsáveis pelo planeamento urbano podem utilizar as novas tecnologias para incluir os ciclistas que não têm as mesmas capacidades físicas que os mais jovens. “Os ciclistas não são um grupo homogéneo e, atualmente, existem muitos tipos de bicicletas que podem facilitar o ciclismo a pessoas com diferentes capacidades.

“Por conseguinte, é necessário reconhecer que existe uma série de necessidades e preferências entre os ciclistas. Talvez se deva oferecer ajuda àqueles que precisam de assistência para sair de casa. Talvez se possa comprar uma bicicleta eléctrica, mas também é preciso sentir que é seguro andar de bicicleta. Há uma série de necessidades e preferências a ter em conta”, conclui Hamidi.

Aceda a mais conteúdos exclusivos da nossa revista #17 Aqui.

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Altamiro da Costa Pereira: “A Inteligência Artificial não passa de mais uma ferramenta à disposição do médico”

O impacto das tecnologias no ensino da Medicina e da prática clínica foi o tema escolhido para encerrar o ciclo de conversas conduzidas pelo professor catedrático, Jorge Polónia. Desta vez, e para terminar com ‘chave de oro’, o convidado foi o Diretor da Faculdade de Medicina do Porto, o Prof. Altamiro da Costa Pereira. O responsável destacou que apesar de a Inteligência Artificial ser uma ferramenta “poderosíssima”, esta “nos dá por si só novo conhecimento”, o que significa que “a investigação vai continuar a ser feita” e os médicos vão ser sempre necessários.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights