Cristina Vaz de Almeida Presidente da Sociedade Portuguesa de Literacia em Saúde; Doutora em Ciências da Comunicação — Literacia em Saúde. Presidente da Sociedade Portuguesa de Literacia em Saúde. Diretora da pós-graduação em Literacia em Saúde. Membro do Standard Committee IHLA — International Health Literacy Association.

Estancar a continuidade da confusão em defesa do cidadão

02/07/2024

Impressões vagas sobre o futuro, suspeitas de derrocada de um SNS essencial e confusão generalizada. Tudo acontece ao mesmo tempo, enquanto as 39 Unidades Locais de Saúde (ULS), que integram numa mesma entidade os cuidados prestados pelos centros de saúde e pelos hospitais, se estruturam pelo país fora.

Se não há acordo, nem que seja tácito sobre a benemerência das mudanças, por um lado é evidente, pelas rompantes e sérias manifestações de clarificação, que os profissionais de saúde precisam de um caminho transparente e mais seguro em todas as suas dimensões pessoais, grupais e societais.

Por outro, diz-se que o cidadão terá mais acesso e melhores resultados em saúde, com uma navegabilidade facilitada no sistema de saúde em níveis de cuidados, com resposta de proximidade e continuidade na assistência em saúde… Parece tudo tão bom no papel.

Talvez se tenham esquecido que o cidadão não acede frequentemente a sites complexos e apenas vinculados a órgãos do Estado, com linguagens herméticas. O cidadão é membro ativo deste processo todo e parece que foi esquecido nesta translação de competências complexas.

Sabemos que, neste momento, seria necessária uma comunicação de risco ou de crise. E os média, também aflitos nas mudanças de gestão que os incapacitam e também os despedem, não têm recebido as propostas sensatas de campanhas mediáticas inteligentes que expliquem ao cidadão o que se está a passar na saúde.

Para que, no final do dia, não continuemos a ver notícias reativas de temas como “21 horas de espera nas urgências”, é preciso montar os gabinetes de comunicação de crise e informar rapidamente o cidadão. Estancar a continuidade da confusão para que não se alastre a um povo inteiro a desesperar pela saúde.

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Altamiro da Costa Pereira: “A Inteligência Artificial não passa de mais uma ferramenta à disposição do médico”

O impacto das tecnologias no ensino da Medicina e da prática clínica foi o tema escolhido para encerrar o ciclo de conversas conduzidas pelo professor catedrático, Jorge Polónia. Desta vez, e para terminar com ‘chave de oro’, o convidado foi o Diretor da Faculdade de Medicina do Porto, o Prof. Altamiro da Costa Pereira. O responsável destacou que apesar de a Inteligência Artificial ser uma ferramenta “poderosíssima”, esta “nos dá por si só novo conhecimento”, o que significa que “a investigação vai continuar a ser feita” e os médicos vão ser sempre necessários.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights