Merck celebra 90 anos em Portugal

26 de Fevereiro 2024

A Merck celebra 90 anos em Portugal e as celebrações arrancam esta segunda-feira com um evento que tem como tema: 'Tocando vidas, transformando o futuro há 90 anos'. 

No evento serão apresentados os dados de um estudo, realizado a pedido da Merck pela MOAI Consulting, com o apoio da Câmara de Comércio e Indústria Luso-Alemã, que avalia o estado atual da diversidade, equidade e inclusão nas empresas alemãs com subsidiária no nosso país.

A Merck vai debater o tema, num encontro que inclui a presença da Embaixadora da República Federal da Alemanha em Portugal e de representantes de empresas alemãs no nosso país e onde o tema dos cuidadores informais, uma das prioridades da Merck e que levou a companhia a apoiar a criação do Movimento Cuidar dos Cuidadores Informais, terá também espaço na agenda.

Em 2022, a Merck tinha apresentado os resultados de um Desk Research sobre a evolução do tema da DE&I em Portugal nos últimos 10 anos, que estimou que apenas em 2052 as mulheres vão receber o mesmo salário mensal que os homens, a que se seguiu, no ano passado, o estudo “Equidade entre mulheres e homens no mercado de trabalho”.

A celebração dos 90 anos da companhia e o debate terá lugar no Edifício Impresa.

PR/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights