Maioria dos portugueses com mieloma múltiplo desconhecia a doença

4 de Março 2024

A maioria (87,1%) dos portugueses com mieloma múltiplo (MM) nunca tinha ouvido falar desta doença. Perante o diagnóstico, 36,6% reconheceram a necessidade de apoio psicológico para ajudar na gestão da sua patologia.

A conclusão é do estudo “Viver com Mieloma Múltiplo: Impacto na Vida dos Doentes em Portugal”, promovido pela Takeda, com o apoio da Associação Portuguesa Contra a Leucemia (APCL), da Associação de Apoio aos Doentes com Leucemia e Linfoma (ADL) e da Associação Portuguesa de Leucemias e Linfomas (APLL).

Em Portugal, são diagnosticados cerca de 800 novos casos por ano. A maioria das pessoas diagnosticadas com MM tem mais de 65 anos, mas pode surgir em doentes mais jovens. Foi o caso da Ana Filipa Lopes: “Fui diagnosticada aos 29 anos com mieloma múltiplo após queixas relacionadas com outro quadro clínico. Mas, em retrospetiva, já tinha sinais e sintomas como dores de costas e fadiga. Ao início foi muito difícil gerir os desafios físicos e emocionais, mas com ajuda psicológica individual e um grupo de apoio foi-se tornando mais fácil. Sou acompanhada por uma equipa médica multidisciplinar e procuro conhecimento constante sobre a doença. Com base nos avanços científicos sinto-me confiante no futuro e vou traçando objetivos para a minha vida.”

“Apesar de permanecer incurável, o mieloma múltiplo tem vindo a tornar-se uma doença cada vez mais crónica. Os doentes fazem terapêuticas com uma toxicidade limitada, geralmente bem toleradas, o que permite que estas sejam realizadas por tempo prolongado e o doente possa retomar ou manter a sua vida normal. Perante este facto, quanto mais informado o doente estiver, melhor vai conseguir lidar com a doença e gerir os seus efeitos, de forma a garantir a sua qualidade de vida”, esclarece Catarina Geraldes, diretora do Serviço de Hematologia Clínica da Unidade Local de Saúde de Coimbra.

Apesar de ser uma patologia com sintomas inespecíficos, é importante ter atenção a alguns sinais e sintomas. Um diagnóstico precoce é fundamental na gestão desta doença, nomeadamente na prevenção da disfunção de órgãos, que pode ser irreversível.

PR/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

FNAM aponta quatro prioridades para reunião com o Governo

A presidente da Federação Nacional dos Médicos (FNAM) identificou hoje os salários, as 35 horas semanais, a integração dos médicos internos na carreira e as progressões como prioridades para o encontro da próxima sexta-feira com o Governo.

ULS de Braga certifica mais 35 profissionais no âmbito do Programa Qualifica AP

A Unidade Local de Saúde de Braga (ULS de Braga) finalizou, esta semana, o processo de certificação de mais 35 profissionais, no âmbito do Programa Qualifica AP, uma iniciativa desenvolvida em parceria com a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N), através do Centro Qualifica AP.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights