Filipa Sousa, Pedopsiquiatra

Autismo: O que é, sinais de alerta, diagnóstico e abordagem terapêutica

04/01/2024

A Perturbação do Espetro do Autismo (PEA) é uma perturbação do neurodesenvolvimento. Assim: é um espetro, o que significa que as pessoas com este diagnóstico poderão ter uma variedade grande de sintomas e de competências, com impacto no desenvolvimento.

A origem da PEA é multigénica e multifatorial, existindo uma interação entre os genes e o ambiente. A relação mãe/bebé, a educação, ou o estatuto socioeconómico não têm influência na origem da PEA. Também não foi encontrada qualquer correlação entre a PEA e o uso de determinadas vacinas ou a existência de intolerâncias alimentares.

O que é o Autismo?

A PEA é uma perturbação crónica e como tal persiste ao longo de toda a vida da pessoa, mas as manifestações clínicas modificam com a idade. Apesar de existir desde o nascimento, o diagnóstico só é possível quando os sintomas começam a ser mais evidentes. Em alguns casos, isso pode acontecer no período pré-escolar e noutros casos só em idade escolar ou mesmo na adolescência. A altura em que o prejuízo do funcionamento se torna óbvio varia de acordo com características da própria pessoa, bem como com as características do seu meio ambiente, e o facto de poder haver uma grande variedade de sintomas pode dificultar o diagnóstico.

Sinais de Alerta e Sintomas do Autismo

Os sintomas, que mudam com o desenvolvimento e podem ser mascarados por mecanismos compensatórios, são essencialmente de dois grupos:

·       dificuldades na comunicação social recíproca e na interação social;

·       comportamentos, interesses ou atividades restritos e repetitivos.

Desta forma, exemplos de sinais ou sintomas que em crianças mais pequenas devem levantar suspeita são:

·       ausência de contacto ocular;

·       não sorrir em resposta;

·       não responder ao nome;

·       ausência de reações antecipatórias (como levantar os braços para ser pegado ao colo);

·       ausência de atenção conjunta (não olhar para onde a outra pessoa está a olhar ou a apontar e não apontar com o dedo para algum objeto para dirigir a atenção do outro);

·       não ter interesse em partilhar;

·       ou perturbação na aquisição ou desenvolvimento da fala.

Em crianças mais velhas podem observar-se também:

·       dificuldades no jogo simbólico (não ter brincadeiras de faz-de-conta, alinhar ou organizar brinquedos, em vez de brincar com eles);

·       não ter interesse pelas outras crianças;

·       evitamento da interação social, ou interação social desadequada com os pares;

·       não imitar o adulto;

·       uso idiossincrático e estereotipado de palavras ou frases;

·       défices nos comportamentos não-verbais usados para a interação social (para além da ausência de contacto ocular, uso reduzido de gestos ou expressões faciais);

·       adesão excessiva a rotinas, com dificuldades com a mudança;

·       comportamentos repetitivos ou interesses altamente restritos e anormais na intensidade ou no foco (como horários de comboios, matrículas de automóveis).

Pode existir também hiper ou hiporreatividade a estímulos sensoriais (com respostas extremas a sons ou texturas específicas ou cheirar objetos excessivamente, por exemplo) e é comum haver restrições alimentares excessivas.

Muitas crianças com PEA também apresentam défice intelectual e/ou défice da linguagem e pode haver défices motores, podendo ter uma marcha estranha (por exemplo andar em bicos de pés) e sendo mais desajeitadas e descoordenadas do que as crianças da mesma idade.

Em crianças sem défice cognitivo e sem atraso na linguagem pode ser apenas na adolescência, quando as tarefas em termos sociais são mais exigentes, que as dificuldades se tornam mais notórias. Nesta idade, a procura de ajuda pode acontecer por queixas depressivas ou ansiosas, motivadas por fracas competências socias e problemas de interação com os pares.

Diagnóstico

Na avaliação diagnóstica da PEA podem ser prescritos alguns exames complementares de diagnóstico, nomeadamente para estudo etiológico, mas o diagnóstico é clínico, baseado em múltiplas fontes de informação: observação clínica, cuidadores e quando possível autorrelato. A PEA é mais comum nos rapazes. Nas raparigas os sintomas são muitas vezes menos óbvios, os interesses específicos mais típicos para a idade e, porque são capazes de imitar o que vêm, podem ter melhor contacto ocular e melhor interação social do que os rapazes com PEA. Estes motivos levam a que possa haver subdiagnóstico de PEA nas raparigas.

Abordagem terapêutica

A abordagem terapêutica deve ser individualizada, em função da situação clínica e do contexto individual e pode incluir: terapia da fala, terapia ocupacional (integração sensorial, treino de autonomia), ou psicologia clínica (terapia comportamental, treino de competências sociais), tendo como objetivo ajudar as pessoas com PEA a usarem da melhor forma as suas competências e a conviverem melhor com as suas especificidades. Não existe medicação para manifestações clínicas da PEA, pelo que a terapêutica farmacológica deve ser dirigida a comorbilidades ou sintomas disruptivos, como problemas graves de comportamento ou alterações de sono.

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

FNAM aponta quatro prioridades para reunião com o Governo

A presidente da Federação Nacional dos Médicos (FNAM) identificou hoje os salários, as 35 horas semanais, a integração dos médicos internos na carreira e as progressões como prioridades para o encontro da próxima sexta-feira com o Governo.

ULS de Braga certifica mais 35 profissionais no âmbito do Programa Qualifica AP

A Unidade Local de Saúde de Braga (ULS de Braga) finalizou, esta semana, o processo de certificação de mais 35 profissionais, no âmbito do Programa Qualifica AP, uma iniciativa desenvolvida em parceria com a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N), através do Centro Qualifica AP.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights