Desenvolvida nova classe de antibióticos eficazes contra bactérias multirresistentes

2 de Abril 2024

Um consórcio multinacional liderado por cientistas da Universidade de Uppsala (Suécia) descobriu, e testou com sucesso em ratos, uma nova classe de antibióticos com capacidade de curar infeções causadas por bactérias multirresistentes.

A nova classe de antibióticos é descrita esta segunda-feira num artigo da revista científica ‘Proceedings of the National Academy of Sciences’ (PNAS).

A investigação foi realizada com o apoio do projeto europeu ENABLE, liderado pela Universidade de Uppsala e pela empresa farmacêutica GlaxoSmithKline, que juntamente com mais de cinquenta parceiros europeus da academia e da indústria, combinam recursos e conhecimentos para avançar no desenvolvimento de antibióticos contra multirresistentes. baterias.

Os antibióticos são a base da medicina moderna e, ao longo do último século, melhoraram dramaticamente a vida das pessoas em todo o mundo.

Os humanos dependem destes para tratar ou prevenir infeções bacterianas, para reduzir o risco de infeção em tratamentos de cancro, em intervenções cirúrgicas invasivas, em transplantes e em mães e bebés prematuros, entre muitos outros usos.

No entanto, o aumento global da resistência aos antibióticos ameaça cada vez mais a sua eficácia. Para garantir o acesso a antibióticos eficazes no futuro, é urgente encontrar novos compostos.

O consórcio, liderado pela Universidade de Uppsala, desenvolveu um novo tipo de antibióticos que têm como alvo a proteína LpxH, que as bactérias Gram-negativas utilizam para gerar a membrana externa que as protege do ambiente e também de alguns antibióticos como a penicilina.

Nem todas as bactérias produzem esta camada, mas aquelas que o fazem incluem os organismos que a Organização Mundial da Saúde (OMS) identificou como os mais críticos para o desenvolvimento de novos tratamentos, incluindo Escherichia coli e Klebsiella pneumoniae, que são resistentes aos antibióticos disponíveis.

A equipa mostrou que esta nova classe de antibióticos é altamente ativa contra bactérias multirresistentes e pode tratar infeções da corrente sanguínea em ratos, demonstrando seu potencial.

E como esta classe de compostos é completamente nova e a proteína LpxH ainda não foi explorada como alvo para antibióticos, não existe resistência preexistente a esta classe de compostos, destacam os autores.

A equipa advertiu que, embora os resultados atuais sejam muito promissores, será necessário um trabalho adicional considerável antes que estes compostos estejam prontos para ensaios clínicos.

O trabalho para descobrir e desenvolver esta nova classe de antibióticos foi apoiado pelo projeto ENABLE, no qual a Universidade de Uppsala e a empresa farmacêutica GlaxoSmithKline, juntamente com mais de cinquenta parceiros europeus da academia e da indústria, reúnem recursos e conhecimentos para avançar no desenvolvimento de antibióticos contra as principais bactérias Gram-negativas, como E. coli, K. pneumoniae, P. aeruginosa e A. baumannii.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

FNAM aponta quatro prioridades para reunião com o Governo

A presidente da Federação Nacional dos Médicos (FNAM) identificou hoje os salários, as 35 horas semanais, a integração dos médicos internos na carreira e as progressões como prioridades para o encontro da próxima sexta-feira com o Governo.

ULS de Braga certifica mais 35 profissionais no âmbito do Programa Qualifica AP

A Unidade Local de Saúde de Braga (ULS de Braga) finalizou, esta semana, o processo de certificação de mais 35 profissionais, no âmbito do Programa Qualifica AP, uma iniciativa desenvolvida em parceria com a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N), através do Centro Qualifica AP.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights