Reação alérgica a picada de insetos é responsável por cerca de 20% das mortes por anafilaxia

15 de Maio 2024

Dados do Registo Português de Anafilaxia, mostram que entre 2007 e 2017, a alergia ao veneno de abelha foi responsável por mais de 5% de todos os casos de anafilaxia (reação alérgica grave), tendo sido a terceira causa mais frequente de anafilaxia, depois dos alimentos e medicamentos.

Para marcar a data em que se assinala o Dia Mundial da Abelha (20 de maio), a Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica alerta para o facto de “atualmente, as reações alérgicas por picada de himenópteros representarem um problema de saúde sério”.

Citadas em comunicado emitido pela SPAIC, Natacha Santos e Maria Luís Marques, do Grupo de Interesse de Anafilaxia e Doenças Imunoalérgicas Fatais da SPAIC explicam que  “A anafilaxia manifesta-se habitualmente por uma combinação de reações na pele (urticária, angioedema), gastrointestinais (vómitos, dores abdominais intensas), respiratórias (aperto na garganta, falta de ar, pieira) e cardiovasculares (hipotensão, tonturas, desmaio) com início imediato após a picada e que pode ser fatal. Mais de metade dos doentes com anafilaxia ao veneno de abelha apresentam anafilaxia grave com alterações cardiovasculares”,

No comunicado a SP~IC alerta ainda os imunoalergologistas, de que, uma vez que a picada das abelhas pode ser fatal, é “importante estar alerta e saber reconhecer estes casos para se poder atuar o mais rapidamente possível, seja no tratamento do episódio agudo, seja na orientação do doente de forma a evitar novos episódios de reações graves”.

As especialistas referem ainda como deve o doente alérgico agir em caso de picada: no caso de uma reação local (inchaço e vermelhidão no local da picada), o doente deverá lavar bem a zona com água e sabão, aplicar gelo e poderá ser necessária administração de medicação, como anti-histamínicos ou corticoides tópicos ou orais para alívio sintomático. No caso de uma reação sistémica, se for o primeiro episódio, o doente deverá ligar de imediato para o 112 e dizer que foi picado e que está a desenvolver uma alergia grave/anafilaxia. Os doentes alérgicos que já tenham sido avaliados em consulta e em que tenha sido diagnosticada anafilaxia, deverão fazer-se sempre acompanhar pelas suas canetas de adrenalina e estas deverão ser administradas o mais rapidamente possível. Posteriormente, o doente deverá ligar para o 112 e reportar a ocorrência para ser avaliado a nível hospitalar.

É também com o intuito de consciencializar a população sobre a doença alérgica que a SPAIC vai organizar a Feira Nacional da Alergia nos dias 29 e 30 de junho, em Aveiro, no Mercado Manuel Firmino.

Saiba mais em feiradaalergia.com.

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Esclerose Múltipla

Cristiana Lopes Martins, fisiatra nos hospitais de Portimão e Lagos (Unidade Local de Saúde do Algarve) e na Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano; Eduarda Afonso, fisiatra no hospital de Faro (Unidade Local de Saúde do Algarve)

Enfermeiros querem reunir com António Gandra d’Almeida

O Sindicato Nacional dos Enfermeiros (SNE) saudou esta quarta-feira a eleição de António Gandra d’Almeida como novo diretor executivo do Serviço Nacional de Saúde. Em declarações ao nosso jornal, o responsável afirmou que vai solicitar uma reunião com António Gandra d’Almeida e a nova equipa.

Fernando Araújo: Autorizações para contratar médicos “têm demorado menos que três dias úteis”

Na comissão parlamentar de Saúde, esta quarta-feira, Fernando Araújo apresentou os feitos da reforma do Serviço Nacional de Saúde e da equipa que liderou enquanto diretor executivo. A reforma “tem conseguido alterar esta burocracia, estes patamares administrativos, estes tempos que eram incomportáveis na gestão do SNS”, tendo decorrido com o envolvimento dos profissionais: “de baixo para cima”.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights