Especialista diz que dieta na DII deve ser avaliada “caso a caso”

16 de Maio 2024

A nutricionista Carla Guimarães defendeu hoje que a dieta dos doentes com Doença Inflamatória do Intestino (DII) deve ser avaliada "caso a caso". 

As declarações surgem no âmbito do XXIII Congresso de Nutrição e Alimentação. A especialista Carla Guimarães participou hoje na sessão “Os Desafios na Doença Inflamatória do Intestino”, onde destacou o papel da dieta alimentar.

Em declarações ao nosso jornal, a nutricionista sublinhou que “a evidência científica cada vez mais nos mostra que a alimentação tem um papel determinante na doença inflamatória do intestino. Sabemos que as pessoas que seguem uma alimentação mais ocidental têm um risco acrescido de vir a desenvolver DII. Portanto, é muito importante preconizar uma dieta mediterrânica”.

Apesar de existirem estudos a destacarem o papel das alterações alimentares na DII, a nutricionista da Associação Portuguesa da Doença Inflamatória do Intestino revela que a APDI recebe cada vez mais doentes com dietas altamente restritivas.

“Na associação, o que notamos é que há muitos doentes que seguem dietas isentas em gluten e lactose… Não há evidência científica que essas dietas tragam benefícios para todos os doentes com doença inflamatória do intestino. É por isso que temos de analisar caso a caso”, disse.

Por outro lado, a associação recebe doentes com dietas desequilibradas. “Muitas pessoas seguem dietas com baixo consumo de legumes e frutas devido ao receio de vir a agudizar a doença. Mas é preciso frisar que isso não está provado. Portanto, temos de ajudar estas pessoas a reintroduzir esses alimentos que sabemos que também são altamente protetores e que têm imensos efeitos benéficos para a saúde.”

A especialista explicou que atualmente as pessoas procuram “soluções terapêuticas mais ‘naturais'”. “Os doentes querem cada vez mais optar pela dieta como tratamento. No entanto, a evidência científica mostra-nos que ainda não temos uma alimentação convencional que sirva como tratamento da doença. É por isso que nesta conferência sublinhamos a importância da utilização de fórmulas desenvolvidas em laboratório e da dieta.”

Apesar da dieta ter um papel essencial, a nutricionista relembra: “Não temos uma solução que sirva para todos os doentes. É por isso que o conselho que eu deixo é que falem com o vosso gastrenterologista e o vosso nutricionista.”

HN/VC

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Exposição “Arte e Vida: Enfrentar a Esclerose Múltipla” de Emanuel Ribeiro abre em Lisboa

O artista Emanuel Ribeiro apresenta três das suas mais impactantes obras – “À Deriva”, “Grito Mudo” e “Libertação” – na exposição “Arte e Vida: Enfrentar a Esclerose Múltipla”. Organizada pela Sociedade Portuguesa de Esclerose Múltipla (SPEM), com o apoio da Merck e do El Corte Inglés (ECI), a exposição visa retratar as complexidades, desafios e triunfos da vida com esclerose múltipla.

Futuros nutricionistas enfrentam “tubarões” no Teatro Thalia

A NOVA Medical School vai trazer para a academia o conhecido modelo de captação de negócio ‘Shark Tank’, dia 28 de junho no Teatro Thalia, em Lisboa, proporcionando uma plataforma para os alunos finalistas da Licenciatura em Ciências da Nutrição se apresentarem ao mercado de trabalho.

Relatório de saúde STADA 2024: sistemas de saúde na Europa precisam de reformas urgentes

Os sistemas de saúde europeus estão em crise e necessitam de uma reforma urgente, revela o Relatório de Saúde da STADA 2024. Este inquérito representativo, que envolveu cerca de 46.000 entrevistados em 23 países europeus, destaca que os sistemas de saúde não conseguem atender adequadamente às necessidades de muitos europeus, levando-os a assumir a responsabilidade pela sua própria saúde.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights