Unidade de Saúde de Coimbra descentraliza gestão para melhorar as respostas

17 de Maio 2024

A Unidade Local de Saúde (ULS) de Coimbra vai descentralizar a gestão através da criação de comunidades de saúde com o objetivo de melhorar as respostas aos utentes, anunciou hoje o organismo.

“Esta é uma estratégia que permite ganhar escala para o desenvolvimento de planos intermunicipais de saúde e respostas em proximidade, incluindo a oferta de serviços diferenciados, articulação com os parceiros locais comunitários e a criação de melhores condições para atração e retenção de profissionais de saúde”, informou.

Em comunicado, a ULS adiantou que a instituição das comunidades de saúde permite “uma gestão mais próxima e proativa” e assegura também “melhores condições de trabalho às equipas”.

O conselho de administração da Unidade Local de Saúde, presidido pelo professor universitário Alexandre Lourenço, decidiu criar seis comunidades intermunicipais: A (Alvaiázere, Ansião, Castanheira de Pera, Figueiró dos Vinhos e Pedrógão Grande), B (Arganil, Góis, Oliveira do Hospital e Tábua), C (Cantanhede, Mira e Mealhada, Mortágua e Penacova), D (Coimbra), E (Condeixa-a-Nova, Lousã, Miranda do Corvo, Penela, Vila Nova de Poiares) e F (Pampilhosa da Serra).

Cada uma é gerida por um conselho clínico e de saúde, órgão de gestão intermédia, constituído por um máximo de quatro elementos, ao qual cabe “assegurar a governação clínica e de saúde da sua comunidade de saúde, salvaguardando as competências de cada um dos seus membros, de forma concertada, articulada e participada por todas as unidades funcionais”, segundo o comunicado.

“A ULS de Coimbra tem uma extensa cobertura geográfica, agregando realidades bastante distintas em termos de características demográficas e socioeconómicas e de necessidades em saúde”, explicou Alexandre Lourenço.

Face a esta realidade, “o desenvolvimento do plano estratégico e de governação da ULS prevê a criação de comunidades de saúde intermunicipais”, referiu, citado na nota, para indicar que o modelo “vai permitir uma agilidade operacional e autonomia de governação ímpares”.

As comunidades de saúde possibilitam desenvolver “projetos de saúde coerentes e de proximidade, sustentados num modelo de governação clínica autónomo e com competências operacionais próprias”, disse, por sua vez, a diretora clínica da ULS para os Cuidados de Saúde Primários, Almerinda Rodrigues.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Exposição “Arte e Vida: Enfrentar a Esclerose Múltipla” de Emanuel Ribeiro abre em Lisboa

O artista Emanuel Ribeiro apresenta três das suas mais impactantes obras – “À Deriva”, “Grito Mudo” e “Libertação” – na exposição “Arte e Vida: Enfrentar a Esclerose Múltipla”. Organizada pela Sociedade Portuguesa de Esclerose Múltipla (SPEM), com o apoio da Merck e do El Corte Inglés (ECI), a exposição visa retratar as complexidades, desafios e triunfos da vida com esclerose múltipla.

Futuros nutricionistas enfrentam “tubarões” no Teatro Thalia

A NOVA Medical School vai trazer para a academia o conhecido modelo de captação de negócio ‘Shark Tank’, dia 28 de junho no Teatro Thalia, em Lisboa, proporcionando uma plataforma para os alunos finalistas da Licenciatura em Ciências da Nutrição se apresentarem ao mercado de trabalho.

Relatório de saúde STADA 2024: sistemas de saúde na Europa precisam de reformas urgentes

Os sistemas de saúde europeus estão em crise e necessitam de uma reforma urgente, revela o Relatório de Saúde da STADA 2024. Este inquérito representativo, que envolveu cerca de 46.000 entrevistados em 23 países europeus, destaca que os sistemas de saúde não conseguem atender adequadamente às necessidades de muitos europeus, levando-os a assumir a responsabilidade pela sua própria saúde.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights