Lara Cunha: Enfermeira Especialista em Enfermagem Médico-cirúrgica; Research Fellow na Unidade de Investigação em Ciências da Saúde: Enfermagem da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra

Os enfermeiros (também) são cientistas

05/21/2024

Os enfermeiros não são apenas prestadores de cuidados nos cenários clínicos. Conquanto historicamente esse papel esteja inculcado, os enfermeiros também se posicionam na investigação científica e na inovação das ciências da saúde.

Testemunha-se uma mudança paradigmática na perceção da enfermagem como uma disciplina científica autónoma e robusta. Os cientistas de enfermagem investigam ativamente a natureza das patologias, soluções inovadoras de prestação de cuidados de saúde e a abordagem das tecnologias e da inteligência artificial que visam melhorar a vida dos doentes (através da enfermagem de precisão) e impactar o futuro dos cuidados de saúde. Com o conhecimento científico e expertise prática, os enfermeiros podem teorizar, formular hipóteses, projetar e conduzir estudos científicos significativos com impacto tangível na prática clínica. Norteada pela prática baseada em evidências, a investigação em enfermagem tem contribuído para a diminuição a taxa de infeções associadas aos cuidados de saúde (IACS), à diminuição dos períodos de internamento e readmissões hospitalares, à gestão da doença crónica e ao ajuste do plano de cuidados centrado na pessoa e família, ao envelhecimento ativo, à transição dos cuidados de saúde comunitários e hospitalares e à integralidade deste processo, entre outros.

Os investigadores de enfermagem geralmente são imbuídos nas organizações ou instituições, que desenvolvem estudos sobre fenómenos integrados nas prioridades organizacionais. Contribuem para o avanço do conhecimento em áreas específicas de interesse, maioritariamente em colaboração com equipas multidisciplinares. Os cientistas de enfermagem tendem a ter responsabilidades mais amplas e um maior nível de autonomia na formulação, conceção e gestão de projetos de investigação. Frequentemente assumem funções de investigadores principais, de liderança de equipas de investigação multicêntricos e multidisciplinares. Ademais, acumulam funções de docência nas instituições académicas, com responsabilidade de formação das gerações futuras de enfermeiros e profissionais de saúde.

A presença de cientistas de enfermagem nos hospitais não só promove descobertas científicas inovadoras, como também inspira uma cultura de excelência entre pares que permeia toda a instituição. Embora nem todos os hospitais possuam os mesmos recursos, é imperativo que as administrações reconheçam o valor estratégico de investimento em investigadores em ciências da saúde, nomeadamente cientistas enfermeiros. Investir em cientistas de enfermagem não é apenas uma escolha estratégica de melhoria contínua, mas um imperativo ético que garanta cuidados de saúde de qualidade e seguros e baseados na melhor evidência científica.

 

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

José Albino é novamente presidente da Respira

Os associados da Respira – Associação Portuguesa de Pessoas com DPOC e outras Doenças Respiratórias Crónicas elegeram, no passado dia 6 de junho, a nova direção para o quadriénio 2024-2027. José Albino e Paula Duarte iniciam agora o mandato na qualidade de presidente e vice-presidente, respetivamente.

Dermatite atópica: Novos dados sobre upadacitinib

A AbbVie anuncia os resultados do LEVEL UP, um estudo de Fase 3b/4, aberto (mas com ocultação para o avaliador) e comparativo que avaliou a eficácia e a segurança de upadacitinib (com dose inicial de 15 mg uma vez por dia e ajuste da dose com base na resposta clínica) comparativamente a dupilumab (na dose aprovada) em adultos e adolescentes (com idade ≥ 12 anos) com dermatite atópica (DA) moderada a grave que tiveram uma resposta inadequada à terapêutica sistémica ou quando a utilização desse tipo de terapêuticas era desaconselhada.

Guilherme Veríssimo: “A saúde começa pela boca”

A evidência científica comprova que a má saúde oral está diretamente relacionada com 23 doenças sistémicas, entre elas a diabetes e as doenças cardiovasculares, e cinco tipos de cancro. Esta realidade pode surpreender a maior parte da população, mas não os dentistas. Em entrevista ao nosso jornal, o Médico Dentista, Guilherme Veríssimo, frisa que a “saúde oral não se resume a uma questão estética”, deixando alguns alertas para a importância da correta higienização dos dentes. O médico dentista aproveitou ainda para desmistificar alguns dos principais mitos associados à doença peridontal.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights