Cristiana Lopes Martins, fisiatra nos hospitais de Portimão e Lagos (Unidade Local de Saúde do Algarve) e na Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano; Eduarda Afonso, fisiatra no hospital de Faro (Unidade Local de Saúde do Algarve)

Esclerose Múltipla

05/22/2024

A Esclerose Múltipla (EM) é uma doença inflamatória crónica do Sistema Nervoso Central e corresponde a uma das principais causas de incapacidade por patologia neurológica em adultos jovens. Estima-se que em Portugal existam 8000 doentes com esta patologia.

A EM surge habitualmente em jovens adultos e vai progredindo ao longo do tempo. A degeneração neuronal pode afetar qualquer área do Sistema Nervoso Central, pelo que as manifestações desta doença são variadas e incluem disfunções motoras (como dificuldade na marcha), disfunções sensitivas, alterações na comunicação, alterações da deglutição, alterações cognitivas, alterações neuropsicológicas, alterações urinárias (como incontinência) e disfunção sexual, entre outras. Dada a multiplicidade de apresentações clínicas, a repercussão na estrutura, na função e autonomia do doente é enorme, tal como as consequentes implicações na vida pessoal, familiar, profissional e social. Todos estes pontos constituem o campo de atuação da Medicina Física e de Reabilitação (MFR).

De acordo com as manifestações clínicas, os médicos fisiatras (especialistas em MFR), vão estabelecer os níveis necessários de intervenção, visando minimizar o impacto funcional destas sequelas, otimizando o nível de capacitação e reduzindo a restrição à participação dos doentes. Ou seja, favorecendo a acessibilidade e integração na sociedade, com a melhor qualidade de vida possível. O foco de atuação dirige-se também à respetiva família, reduzindo a carga sobre o cuidador.

Para tudo isto, é necessário o trabalho síncrono de um grupo de profissionais (médicos, terapeutas, enfermeiros, psicólogos, assistentes sociais, nutricionistas, técnicos de ortoprotesia e de psicomotricidade, entre outros) que interagem de forma multiprofissional e interdisciplinar. Só desta forma é possível tratar uma patologia vão variável e complexa, em que as necessidades terapêuticas vão muito além do mero medicamento. Assim, poderão ser necessárias estratégias de reabilitação neuropsicológica (reeducação cognitiva e comportamental, adaptação funcional e psicoterapia) e neuromotora (integrando programas de fisioterapia, terapia ocupacional e terapia da fala). O uso de fármacos (sob diversas formas de aplicação) e o estudo, adaptação, implementação e treino de produtos de apoio são estratégias comuns e paralelas a todos os níveis de intervenção, de forma a restaurar a função (quando possível) e/ou a associar estratégias compensatórias da mesma. Soma-se ainda o estudo de supressão de barreiras arquitetónicas no domicílio e no local de trabalho.

Assim, a EM, dado o seu caráter degenerativo progressivo, com repercussões estruturais e funcionais que se vão somando ao longo do tempo, é uma patologia inerente à MFR. O apoio biopsicossocial prestado ao doente e familiares/cuidadores é fundamental para a potenciação da atividade e participação do indivíduo na sociedade, abordando a pessoa holisticamente, auxiliando-a a otimizar a função (física, cognitiva, neuropsicológica) e favorecendo a sua plena integração familiar, domiciliária, laboral e social.

É por isso fundamental a manutenção de programas de reabilitação periódicos, assim como o acesso dos doentes aos mesmos, intensificados em épocas críticas de risco de agravamento, em função das situações de incapacidade geradas pela doença, com o objetivo de possibilitar o máximo nível de desempenho aos indivíduos, permitindo-lhes, com o devido enquadramento, continuar a atingir os seus próprios propósitos e sonhos.

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Relatório de saúde STADA 2024: sistemas de saúde na Europa precisam de reformas urgentes

Os sistemas de saúde europeus estão em crise e necessitam de uma reforma urgente, revela o Relatório de Saúde da STADA 2024. Este inquérito representativo, que envolveu cerca de 46.000 entrevistados em 23 países europeus, destaca que os sistemas de saúde não conseguem atender adequadamente às necessidades de muitos europeus, levando-os a assumir a responsabilidade pela sua própria saúde.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights