Pessoas com rendimentos elevados correm menos risco de morte por AVC

9 de Junho 2024

O estudo também encontrou uma associação entre o aumento do risco de morte após o AVC e fatores de risco adicionais como a inatividade física, a diabetes, o abuso de álcool e a fibrilhação auricular. Quando se estudaram as características dos doentes, surgiram também diferenças claras entre os géneros.

Imagem: Katharina Stibrant Sunnerhagen, Academia Sahlgrenska da Universidade de Gotemburgo (foto: Josefin Bergenholtz)

As pessoas com rendimentos elevados têm um risco 32% inferior de morrer após um AVC em comparação com as pessoas com rendimentos baixos. O equivalente para o ensino superior é um risco 26% inferior. De acordo com um estudo da Universidade de Gotemburgo, as diferenças na sobrevivência ao AVC relacionadas com a situação socioeconómica são impressionantes.

Os resultados foram apresentados na Conferência Europeia sobre AVC ESOC 2024, que decorreu de 15 a 17 de maio em Basileia, na Suíça, por Katharina Stibrant Sunnerhagen, professora de Medicina de Reabilitação na Academia Sahlgrenska da Universidade de Gotemburgo e investigadora principal do estudo.

O estudo baseado em registos analisou dados de 6.901 doentes com AVC no Hospital Universitário Sahlgrenska em Gotemburgo. O objetivo era investigar a influência dos chamados determinantes sociais da saúde na sobrevivência ao AVC.

Quatro fatores estiveram em foco: local de residência, país de nascimento, educação e rendimento. Os fatores de desvantagem incluíam viver numa zona classificada pelas autoridades como zona vulnerável, zona de risco ou zona particularmente vulnerável, ter nascido fora da Suécia ou da Europa, ter uma educação deficiente e baixos rendimentos.

Uma questão de vida ou de morte

Para além da associação entre rendimento, educação e sobrevivência ao AVC, o estudo revela uma tendência preocupante no efeito combinado de vários fatores. Com um fator de desvantagem, o risco de morte após um AVC era 18% mais elevado, e com dois a quatro fatores de desvantagem era 24% mais elevado, em comparação com a ausência de fatores de desvantagem.

“Isto mostra a realidade de que a situação socioeconómica de um indivíduo pode ser uma questão de vida ou de morte no contexto do AVC, especialmente quando vários fatores de desvantagem entram em jogo”, afirma Katharina Stibrant Sunnerhagen.

O estudo também encontrou uma associação entre o aumento do risco de morte após o AVC e fatores de risco adicionais como a inatividade física, a diabetes, o abuso de álcool e a fibrilhação auricular. Quando se estudaram as características dos doentes, surgiram também diferenças claras entre os géneros.

Entre os que não apresentavam determinantes sociais de saúde desfavoráveis, 41% eram mulheres, enquanto as mulheres constituíam 59% do grupo com dois a quatro fatores desfavoráveis. Neste último grupo, os fumadores e os ex-fumadores estavam também sobre-representados.

Mais equidade na saúde e melhor saúde

“Prevê-se que o número de pessoas que sofrem de AVC na Europa aumente, o que torna a necessidade de intervenções eficazes mais importante do que nunca. As estratégias direcionadas são cruciais, os decisores políticos devem adaptar a legislação e ter em conta as circunstâncias e necessidades específicas das diferentes partes da sociedade, enquanto os prestadores de cuidados de saúde devem considerar a identificação dos doentes com maior risco de morte por AVC”, afirma Katharina Stibrant Sunnerhagen.

“Ao abordar as disparidades, não só apoiaremos os princípios da equidade na saúde, como também teremos a oportunidade de melhorar significativamente a saúde pública em geral”, conclui.

Bibliografia: A register-based study on associations between stroke mortality and risk factors including social determinants of health.
Presented at ESOC 2024, the European Stroke Organisation Conference, Basel, Schweiz.

 

AlphaGalileo/HN/NR

 

 

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Relatório de saúde STADA 2024: sistemas de saúde na Europa precisam de reformas urgentes

Os sistemas de saúde europeus estão em crise e necessitam de uma reforma urgente, revela o Relatório de Saúde da STADA 2024. Este inquérito representativo, que envolveu cerca de 46.000 entrevistados em 23 países europeus, destaca que os sistemas de saúde não conseguem atender adequadamente às necessidades de muitos europeus, levando-os a assumir a responsabilidade pela sua própria saúde.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights