PSD questiona Governo por falhas na campanha de vacinação

PSD questiona Governo por falhas na campanha de vacinação

Em comunicado enviado às redações, os sociais-democratas interrogam o Governo sobre o número exato de vacinas contra a gripe adquiridas para a campanha, se os 2,5 milhões de doses anunciadas “são suficientes para vacinar todas as pessoas que o queiram fazer” e por que razão não se foi mais além na disponibilização de vacinas, face aos “2,3 milhões de idosos e cerca de dois milhões de doentes crónicos com idade inferior a 65 anos”.

Paralelamente, o grupo parlamentar do PSD pede ao executivo para esclarecer quantas doses de vacinas “estão atualmente disponíveis no Serviço Nacional de Saúde (SNS) e nas farmácias comunitárias”, denunciando que milhares de utentes do SNS estão a desesperar “em intermináveis filas à porta” dos centros de saúde.

Sem resposta para o principal partido da oposição está também a questão sobre a razão para o Ministério da Saúde não reforçar a quantidade de vacinas para a gripe disponíveis para as farmácias comunitárias.

Os deputados do PSD desafiam ainda o Governo a assegurar que não vão faltar vacinas nos centros de saúde e nas farmácias comunitárias, além de pedir a confirmação de que “até à primeira semana de dezembro” todos os utentes do SNS que queiram levar a vacina para a gripe o possam fazer.

Sublinhando que já em julho havia questionado o executivo sobre a preparação da campanha de vacinação para a gripe e que não obteve resposta, o grupo parlamentar do PSD defende que “não só não estão a ser distribuídas suficientes vacinas contra a gripe, como a sua disponibilização está a registar graves falhas, tanto nos centros de saúde como nas próprias farmácias comunitárias”, segundo a nota divulgada.

“Quando o aumento da procura era há muito previsível, é totalmente inaceitável e prejudica as populações, agravando a ansiedade, o medo e, acima de tudo, a desproteção sanitária dos grupos mais fragilizados da sociedade”, pode ler-se no comunicado, aludindo à coincidência em 2020 da época sazonal da gripe com a pandemia de Covid-19.

LUSA/HN

Câmara de Cascais e farmácias assinam protocolo de vacinação gratuita de idosos contra a gripe

Câmara de Cascais e farmácias assinam protocolo de vacinação gratuita de idosos contra a gripe

Em declarações à agência Lusa, o presidente do município, Carlos Carreiras (PSD), explicou que as 42 farmácias do concelho, no distrito de Lisboa, vão ser abastecidas com 50 vacinas por estabelecimento, por parte do Ministério da Saúde.

“É a resposta que a autarquia também vai dar em termos de apoio à população, neste caso, aos mais de 65 anos e aos que estão em situações de risco de saúde para vacinação contra a gripe”, disse, adiantando que prevê “um investimento de 25 mil euros”, correspondendo a 11 mil vacinas.

De acordo com o autarca, a Câmara Municipal de Cascais vai disponibilizar ainda um autocarro que vai andar a fazer vacinação juntos dos centros de saúde do concelho, em colaboração com o Agrupamento de Centros de Saúde do Concelho de Cascais e com a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo.

“Esse autocarro tem uma capacidade para 200 vacinas por dia e, para já, o que se perspetiva é que seja, pelo menos, durante 10 dias no concelho de Cascais. Dentro desta campanha de vacinação contra a gripe, a câmara assume o compromisso de pagar o custo da aplicação da vacina, já que as vacinas são distribuídas pelo Serviço Nacional de Saúde”, realçou.

Para Carlos Carreiras, a vacinação contra a gripe vai permitir determinar logística de vacinação contra a Covid-19.

“Vai-nos servir para apurarmos a componente logística de como reagir quando existir a vacina contra a Covid-19”, observou, acrescentado que serão conhecidos os “procedimentos que venham a ser necessários para se fazer uma vacinação maciça no concelho”.

O autarca mostrou-se ainda preocupado com o risco de a procura ser maior que a oferta.

“Nós, hoje de manhã, já começámos com o autocarro. A procura está a ser bastante, o que é bom, […] mas começa a haver dúvidas se o número de vacinas garantido pelo Governo é suficiente para a procura que vai haver”, concluiu.

A Câmara Municipal de Cascais, a Associação Nacional de Farmácias (ANF) e a Associação Dignitude assinam hoje, pelas 15:00, um protocolo para apoiar e facilitar a administração da vacina da gripe aos munícipes de Cascais com mais de 65 anos.

O apoio social tem também o objetivo de retirar a pressão dos centros de saúde do concelho, que, com a ajuda das 42 farmácias, podem assim facultar outros serviços médicos.

LUSA/HN

Começa hoje segunda fase da vacinação contra a gripe para pessoas com mais de 65 anos e doentes crónicos

A campanha de vacinação do Serviço Nacional de Saúde arrancou em 28 de setembro, com uma primeira fase que incluiu apenas as faixas da população consideradas prioritárias, como residentes em lares de idosos, grávidas e profissionais de saúde e do setor social que prestam cuidados.

Na segunda fase, que se inicia hoje, a vacina passa a ser também administrada a outros grupos de risco: pessoas com 65 ou mais anos e pessoas com doenças crónicas.

Habitualmente, a campanha de vacinação começa apenas em 15 de outubro, mas este ano arrancou mais cedo devido à pandemia de Covid-19.

“Queremos vacinar o mais depressa possível e estamos a fazer planeamento com as administrações regionais de saúde para, se for necessário, ampliar os pontos vacinação para outras estruturas da comunidade” além dos centros de saúde, afirmou a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas quando anunciou a época da vacinação deste ano.

Graça Freitas apelou a todas as pessoas que tiverem indicação médica para que se vacinem, salientando que este ano, com a pandemia, é “ainda mais importante que o façam”.

Havendo a Covid-19 “convém não ter outras infeções respiratórias que se possam confundir com Covid e que obriguem a fazer um diagnóstico para ver se as pessoas têm Covid ou têm gripe”, referiu.

Além das vacinas gratuitas para as pessoas incluídas nos grupos de risco, haverá vacinas à venda nas farmácias que podem ser compradas com receita médica e são comparticipadas.

O SNS comprou este ano mais de dois milhões de vacinas da gripe a duas empresas diferentes, por concurso público, mas todas as vacinas são iguais. Na primeira fase, estiveram disponíveis 350 mil doses.

A gripe é uma doença contagiosa e que geralmente se cura de forma espontânea. As complicações, quando surgem, ocorrem sobretudo em pessoas com doenças crónicas ou com mais de 65 anos.

LUSA/HN

Loures e Associação de Farmácias com acordo de vacinação de idosos contra a gripe

Loures e Associação de Farmácias com acordo de vacinação de idosos contra a gripe

Em declarações à Lusa, o presidente da autarquia, Bernardino Soares (PCP), explicou que nos últimos dois anos Loures (distrito de Lisboa) teve implementado um projeto-piloto que permitiu, só no ano passado, vacinar contra a gripe perto de 10 mil pessoas com mais de 65 anos.

Como este ano o Ministério da Saúde decidiu alargar o projeto a nível nacional, Bernardino Soares reconheceu que a distribuição de 150 mil vacinas a nível global iria dar “um número reduzido” para o concelho na faixa etária em questão.

“Pareceu-nos inaceitável que no ano em que a vacinação é ainda mais importante por via da pandemia estivéssemos a recuar na capacidade de vacinação das farmácias”, afirmou, adiantando que, no ano passado, o projeto-piloto “aumentou a cobertura da vacina da gripe em 30%, o que é muito significativo”.

“Por isso decidimos e avançámos com um acordo direto com as associações de farmácias”, disse, sublinhando tratar-se de um investimento de 22.500 euros.

Bernardino Soares frisou ainda que esta medida irá ser um acréscimo ao que continua a ser feito, “e muito bem”, nos centros de saúde e pelas unidades do Serviço Nacional de Saúde.

O protocolo de colaboração entre a Associação Nacional das Farmácias (ANF) e a Câmara de Loures, no âmbito do programa “Vacinação SNS Local”, é assinado na Farmácia Ribeiro Soares, em Santa Iria de Azoia.

Os utentes maiores de 65 anos terão direito a vacinar-se gratuitamente numa farmácia da sua preferência, a partir do dia 19 de outubro (segunda-feira), à semelhança do que acontece nos centros de saúde.

LUSA/HN

Mais de 18 mil vacinas contra a gripe sazonal administradas na região Centro

Mais de 18 mil vacinas contra a gripe sazonal administradas na região Centro

No total, segundo aquele organismo, foram administradas 18.100 vacinas na população considerada prioritária, como residentes em lares de idosos, profissionais de saúde e do setor social que prestam cuidados e grávidas.

“Os utentes com 65 e mais anos foram os mais vacinados, com 11.361 vacinas gratuitas, seguidos dos utentes com idade entre 60 e 64 anos”, refere a ARSC, em comunicado enviado à agência Lusa.

Na semana entre 05 e 11 de outubro foi administrado o maior número de vacinas, 7.584, representando 42% do total de vacinas, acrescenta a nota.

A região Centro apresenta uma taxa de cobertura total da vacinação contra a gripe sazonal de 10,2 por mil inscritos, “o que corresponde a 5,5% do total de 328.742 vacinas adquirido pela ARSC”.

Segundo a ARSC, nesta primeira fase de vacinação foram disponibilizadas 23.793 vacinas.

A segunda fase da vacinação contra a gripe sazonal terá início na segunda-feira, prolongando-se até final do ano para outros grupos de risco, pessoas com 65 ou mais anos e portadores de doenças crónicas.

LUSA/HN