Itália aproxima-se dos 200 mil contágios e quase com 27 mil mortes

27 de Abril 2020

Roma, 27 abr 2020 (Lusa) – A Itália registou, até hoje, 199.414 casos de contágio do novo coronavírus, com um aumento de 1.739 nas últimas 24 horas, o valor mais baixo desde março, mantendo a trajetória em baixa na curva de contaminações.

Roma, 27 abr 2020 (Lusa) – A Itália registou, até hoje, 199.414 casos de contágio do novo coronavírus, com um aumento de 1.739 nas últimas 24 horas, o valor mais baixo desde março, mantendo a trajetória em baixa na curva de contaminações.

Segundo indicou o diretor da Proteção Civil italiana, Angelo Borrelli, o total de óbitos situa-se nos 26.977, com mais 333 nas últimas 24 horas, número superior aos 260 registados domingo, mas muito menor que os valores diários nas últimas semanas.

O total atual de casos positivos é de 105.813, mantendo a tendência de descida, depois de 66.624 pessoas terem tido alta médica, continuando também em baixa os pacientes hospitalizados.

“Mantém-se a tendência de diminuição progressiva de óbitos e de contágios”, afirmou, por seu lado, o presidente do Instituto Superior de Saúde (ISS) italiano durante a apresentação do balanço diário da epidemia na sede da Proteção Civil.

A Lombardia (norte) continua a ser a região mais afetada, com 13.449 óbitos em 73.479 casos, seguida pela de Emília-Romana (3.431 mortes em 24.662 casos), e Piemonte (2.878 mortes em 25.098 casos).

Por outro lado, a Federação Nacional das Ordens de Cirurgiões (FNOMCEO) de Itália referiu hoje que a pandemia associada à covid-19 provocou a morte a 151 médicos entre 11 de março e 26 deste mês.

Algumas das restrições existentes em Itália, impostas para travar a propagação do novo coronavírus, vão ser aliviadas a 04 de maio próximo, embora as regras para as lojas de retalho, museus e outros negócios tenham de ser cumpridas por mais duas semanas.

Os cientistas que estão a aconselhar o Governo italiano afirmaram-se “preocupados” com um aumento da taxa de contágio assim que os cidadãos puderem começar a circular no país.

O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, já decidiu que a reabertura das atividades vai decorrer de forma gradual, uma vez que ainda não existe uma vacina contra a covid-19.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 206 mil mortos e infetou quase três milhões de pessoas em 193 países e territórios.  Perto de 810 mil doentes foram considerados curados.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Para combater a pandemia, os governos mandaram para casa 4,5 mil milhões de pessoas (mais de metade da população do planeta), encerraram o comércio não essencial e reduziram drasticamente o tráfego aéreo, paralisando setores inteiros da economia mundial.

Face a uma diminuição de novos doentes em cuidados intensivos e de contágios, alguns países começaram, entretanto, a desenvolver planos de redução do confinamento e em alguns casos, como Dinamarca, Áustria, Espanha ou Alemanha, a aliviar algumas das medidas.

Lusa/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

OMS lança iniciativa SPECS 2030

A Organização Mundial de Saúde (OMS) acaba de lançar a iniciativa SPECS 2030, inserida na Global SPECS Network que tem como principal objetivo unir uma rede global de participantes para atingir a meta global do erro refrativo para 2030, que consiste no aumento de 40% na cobertura efetiva desta patologia.

Os enfermeiros (também) são cientistas

Lara Cunha: Enfermeira Especialista em Enfermagem Médico-cirúrgica; Research Fellow na Unidade de Investigação em Ciências da Saúde: Enfermagem da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra

49% das deslocações forçadas no mundo ocorrem em África

Conflitos, alterações climáticas, pobreza extrema e insegurança alimentar fazem disparar deslocações forçadas no continente africano e irão obrigar mais de 65 milhões de pessoas a fugir das suas casas até ao final de 2024. Subfinanciamento surge como principal ameaça à ajuda humanitária.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights