Reino Unido com mais mortes em zonas desfavorecidas e população étnica

2 de Maio 2020

A pandemia covid-19 está a registar mais mortes em regiões desfavorecidas de Inglaterra e entre pessoas de minorias étnicas, de acordo com dois estudos publicados hoje.

Entre 01 de março e 17 de abril, o instituto de estatísticas britânico (ONS) registou 20.283 mortes atribuídas ao novo coronavírus e, analisando os dados, descobriu que a taxa de mortalidade em zonas mais desfavorecidas é de 55,1 mortes por 100 mil habitantes, contra 25,3 mortes por cada 100 mil em zonas menos desfavorecidas.

Esta disparidade também é visível em Londres, a região com a maior proporção de óbitos durante a pandemia no Reino Unido, onde a taxa de mortalidade subiu a 85,7 mortes por 100 mil pessoas, com destaque para bairros como Newham, Brent e Hackney.

As zonas mais desfavorecidas são classificadas devido aos elevados níveis de desemprego e criminalidade, habitação de pior qualidade e por terem menor acesso a serviços como saúde ou educação.

“As taxas de mortalidade são normalmente mais elevadas nas áreas mais carenciadas, mas a covid-19 parece acentuá-lo ainda mais”, vincou o analista do ONS especialista em questões de saúde, Nick Stripe.

Um outro estudo, do Instituto de Estudos Fiscais, concluiu que o número de mortes entre a população negra ou de minorias étnicas é muito maior do que entre os brancos, em parte porque eles têm profissões com maior exposição ao vírus.

Homens de origem paquistanesa têm 90% mais probabilidades de trabalhar no setor de saúde do que homens brancos britânicos e, embora as pessoas de ascendência indiana representem apenas 3% da população em idade ativa em Inglaterra e no País de Gales, elas representam 14% dos médicos.

O relatório também descobriu que a mortalidade ‘per capita’ devido ao novo coronavírus na população de países das Caraíbas é três vezes maior do que a dos britânicos brancos.

O Governo britânico já tinha manifestado preocupação com a elevada taxa de mortalidade entre pessoas negras, asiáticas ou de minorias étnicas devido ao elevado número de mortes junto de profissionais de saúde, e está a investigar eventuais vulnerabilidades genéticas à doença.

“A nossa análise indica que 63% dos profissionais de saúde que morreram de coronavírus eram negros ou de minorias étnicas”, adiantou Tim Cook, professor da Universidade de Bristol.

O estudo refere ainda que outro fator podem ser problemas de saúde subjacentes, já que dois terços das pessoas originárias do Bangladesh com mais de 60 anos sofrem de doenças crónicas, o que faz com que entrem para o grupo de risco.

O Reino Unido registou até agora 26.711 mortes de pessoas infetadas durante a pandemia covid-19 e mais de 171 mil casos de contágio, de acordo com os dados atualizados na quinta-feira pelo Ministério da Saúde britânico.

Lusa/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

APDI dedica mês de maio à consciencialização para a Doença Inflamatória do Intestino (DII)

A APDI – Associação Portuguesa da Doença Inflamatória do Intestino, colite ulcerosa, doença de Crohn está a dedicar, mais uma vez, o mês de maio à consciencialização para a Doença Inflamatória do Intestino (DII) seguindo as indicações da EFFCA – Federação Europeia das  Associações de Doença de Crohn e Colite Ulcerosa que neste ano de 2024 escolheu como mote “A  DII não tem fronteiras”.

Nuno Jacinto: “A Medicina Geral e Familiar tem um papel central em todos os sistemas de saúde”

O presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (APMGF) reforçou a importância da especialidade na promoção da saúde e prevenção da doença. No âmbito do Dia Mundial do Médico de Família, Nuno Jacinto falou ao HealthNews sobre os constragimentos que estes profissionais de saúde enfrentam e dos desafios que os cuidados de saúde primários enfrentam em Portugal.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights