Espanha vai renovar estado de emergência, uso de máscara nos transportes obrigatório

3 de Maio 2020

O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, confirmou hoje que irá pedir na quarta-feira ao Congresso para prolongar, pela quarta vez, o estado de emergência por mais 15 dias.

O chefe do executivo anunciou ainda que o uso de máscaras vai ser obrigatório nos transportes públicos a partir de segunda-feira.

Numa conferência de imprensa realizada no Palácio de La Moncloa, Sánchez disse que todos os indicadores apontam para que a covid-19 esteja controlada, pelo que o estado de emergência “funciona”, alertando para que no período de desconfinamento ainda será “mais importante o controlo e a responsabilidade social e pessoal”.

“Precisamos de nos apegar a certas certezas; sabemos que o estado de emergência funcionou e sabemos que ainda é necessário”, disse o chefe do executivo, sublinhando que o Governo está focado em vencer a covid-19 “sem perder tempo em cesurar ninguém”.

Pedro Sánchez, que falava no primeiro dia em que foi permitido aos espanhóis sair para passear na rua ou praticar desportos, acrescentou que vão ser distribuídos seis milhões de máscaras nos principais meios de transporte.

Além disso, a Federação Espanhola dos Municípios e Províncias (FEMP), a Cáritas e a Cruz Vermelha distribuirão mais sete milhões de máscaras.

Pedro Sánchez anunciou também a aprovação de um fundo especial “para a recuperação social e económica” das autonomias, num montante de 16.000 milhões de euros a fundo perdido, referindo que no domingo explicará melhor como funcionará numa videoconferência com os vice-presidentes das regiões autónomas.

Sánchez assegurou que, desta forma, atende aos pedidos feitos pelas regiões autónomas e sublinhou que o dinheiro não é reembolsável para que nenhuma região seja privilegiada independentemente do impacto da pandemia da covid-19 em cada região.

“O Governos está decidido a governar para todos e a escutar todos”, afirmou, pedido a todas as administrações e partidos para que trabalhem juntos de modo a vencerem o novo coronavírus.

Entretanto, a União Europeia enviou para Espanha este fim de semana 173.000 máscaras para ajudar o Estado-membro a lidar com a pandemia do novo coronavírus, que já causou mais de 25.000 mortes no país.

Das 173.000 máscaras, 83.000 estavam programadas para entrar no país hoje de manhã por estrada, enquanto as outras 90.000 devem chegar de avião no domingo.

Em comunicado, a Comissão Europeia (CE) explicou hoje que, após o envio realizado na semana passada para a Itália, mais lotes de máscaras FFP2 estão a ser distribuídos neste fim de semana em Espanha, Itália e Croácia, graças ao rescEU, uma reserva de equipamentos médicos da UE lançada no mês passado para ajudar os países afetados pela pandemia do novo coronavírus.

Segundo o executivo comunitário, graças a esses primeiros envios, já foram distribuídas 330.000 máscaras em Itália, Espanha e Croácia e haverá ainda mais entregas.

“Trabalhamos incansavelmente para criar o ‘stock’ de equipamentos médicos rescEU. Já criámos um de máscaras cujos primeiros países a recebê-las serão Espanha, Itália e Croácia, disse Janez Lenarcic, comissário europeu para as situações de crise.

O político esloveno também agradeceu à Roménia e à Alemanha por ‘hospedar’ reservas de equipamentos de saúde e proteção rescEU nos seus países.

O apoio anunciado hoje é um complemento aos equipamentos médicos, máscaras e desinfetantes que já foram enviados através do Mecanismo de Proteção Civil da UE e acordos bilaterais entre os Estados-membros, afirmou Bruxelas.

Através desse mecanismo, Espanha recebeu meio milhão de máscaras que Taiwan havia doado à comunidade.

Lusa/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

49% das deslocações forçadas no mundo ocorrem em África

Conflitos, alterações climáticas, pobreza extrema e insegurança alimentar fazem disparar deslocações forçadas no continente africano e irão obrigar mais de 65 milhões de pessoas a fugir das suas casas até ao final de 2024. Subfinanciamento surge como principal ameaça à ajuda humanitária.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights