Portugueses mudaram hábitos alimentares durante o período de confinamento

30 de Maio 2020

Lisboa, 30 mai 2020 (Lusa) - Cerca de 45% dos inquiridos num estudo da Direção-geral da Saúde disse ter mudado hábitos alimentares durante o período de confinamento, com quase 42% a admitirem ter sido para pior, e mais de metade diminuiu a atividade física.

Cerca de 45% dos inquiridos num estudo da Direção-geral da Saúde disse ter mudado hábitos alimentares durante o período de confinamento, com quase 42% a admitirem ter sido para pior, e mais de metade diminuiu a atividade física.

Alterações da frequência ou do local de compras dos alimentos (34,3% e 10,6%, respetivamente) e alterações do horário de trabalho (17,6%) são as razões mais apontadas pelos participantes no “Inquérito nacional sobre hábitos alimentares e atividade física”, que foi realizado em parceria com o Instituto de Saúde Ambiental da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa e cujos resultados foram publicados hoje.

Outros motivos apontados pelos 45,1% dos participantes que alteraram os comportamentos alimentares no confinamento devido à pandemia de covid-19 estão associados ao stresse (18,6%) e a mudanças no apetite (19,3%), concluiu também o estudo realizado entre 09 de abril e 04 de maio, com uma amostra de 5.874 indivíduos maiores de 16 anos.

O receio da situação económica (10,3%) foi um determinante das alterações alimentares, com um terço a manifestar preocupação com uma eventual dificuldade no acesso a alimentos e 8,3% a relatar ter mesmo dificuldades económicas.

O estudo indica que os inquiridos passaram a comer mais em casa (56,9% passaram a cozinhar mais), reduzindo o consumo de refeições pré-preparadas (40,7%) ou take-away (43,8%).

Cerca de 31% passaram a consumir mais ‘snacks’ doces, 31,4% começaram “a petiscar mais frequentemente”, enquanto 29,7% aumentaram o consumo de fruta e 21% de hortícolas.

“Alguns destes comportamentos, associados ao aumento dos níveis de sedentarismo, podem explicar a perceção de peso aumentado durante este período (26,4% da amostra)”, salientam os autores do estudo.

Algumas alterações no comportamento alimentar parecem ter acontecido de modo agregado, tendo-se identificado um padrão alimentar menos saudável, caracterizado pelo aumento do consumo de snacks salgados, refeições pré-preparadas, refrigerantes e ‘take-away’ e, por oposição, por uma diminuição do consumo de fruta e hortícolas.

Este padrão de comportamento alimentar foi mais comum nos inquiridos mais jovens, do sexo masculino, com mais dificuldades financeiras e em risco de insegurança alimentar.

Relativamente à prática de atividade física, 60,9% reportaram níveis baixos, 22,6% disseram ser moderadamente ativos e 16,5% relatam níveis elevados.

O estudo adverte que a prevalência de pessoas com níveis baixos de atividade física praticamente duplicou quando comparada com estudos populacionais anteriores.

Durante o confinamento, 53,6% dos inquiridos perceciona ter diminuído a prática de atividade física, 28% afirma ter mantido e 18,5% aumentado.

“A duração do tempo em situação de confinamento parece ter também um efeito particular na prática: Nas mulheres observa-se uma diminuição da prática de atividade física naquelas que estão há mais tempo em confinamento. A tendência parece ser a oposta para os homens”, sublinha o estudo.

A saúde (60,9%), gestão do stresse (55,1%) e a prática estratégica para evitar ganho de peso (35,1%) são os motivos mais apontados para fazer exercício.

Entre as principais atividades praticadas, destacam-se a caminhada (32,3%), atividades de fitness (25,4%), treino de força (18%) e a corrida (14,1%).

O estudo revela que os homens praticam mais treino de força e corrida e as mulheres mais atividades de fitness. Quanto à atividade física não estruturada, 70% referem tarefas domésticas e 50% subir/descer escadas, um comportamento que não era a escolha habitual.

Relativamente ao tempo que passam sentados, reclinados ou deitados, 33% disseram passar três ou menos horas neste tipo de comportamento e 38,9% sete horas ou mais.

A maioria revela passar o tempo sedentário a ver televisão (70%), seguindo-se as atividades recreativas ao computador/tablet/telemóvel (60,6%), o teletrabalho (36,5%) e a leitura de livros (31,4%).

Segundo o estudo, quase 80% procuraram informação sobre saúde e consideraram útil a publicada pela DGS.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Relatório de saúde STADA 2024: sistemas de saúde na Europa precisam de reformas urgentes

Os sistemas de saúde europeus estão em crise e necessitam de uma reforma urgente, revela o Relatório de Saúde da STADA 2024. Este inquérito representativo, que envolveu cerca de 46.000 entrevistados em 23 países europeus, destaca que os sistemas de saúde não conseguem atender adequadamente às necessidades de muitos europeus, levando-os a assumir a responsabilidade pela sua própria saúde.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights