Venezuela alivia quarentena com método próprio

31 de Maio 2020

O Presidente Nicolás Maduro anunciou que, a partir de segunda-feira, a Venezuela vai aplicar um modelo próprio de quarentena preventiva da covid-19, que combina cinco dias de flexibilização disciplinada com dez de confinamento obrigatório.

“É o modelo cinco mais dez, cinco dias de flexibilização disciplinada e dez dias de quarentena com setores primários permitidos em funcionamento. Os cinco dias começam na segunda-feira, 01 de junho”, disse, no sábado, durante uma intervenção transmitida em simultâneo e de maneira obrigatória pelas rádios e televisões do país.

Este modelo prevê que consultórios médicos e odontológicos abram entre as 07:00 e as 14:00 (12:00 e 19:00 em Lisboa) e o transporte funcione durante dez horas diárias.

As agências bancárias vão abrir quatro horas por dia. De segunda a quinta-feira, vão atender os clientes particulares. Às sextas-feiras, a atenção estará reservada às empresas.

Também oficinas mecânicas vão abrir quatro horas por dia, enquanto construção civil, lojas de ferragem, refrigeração e canalização vão trabalhar durante cinco horas diárias.

O setor têxtil, do calçado, a indústria de matéria prima química e os cabeleireiros vão funcionar durante seis horas por dia.

Durante a flexibilização da quarentena, vai continuar a ser obrigatório o uso de máscaras de proteção e 1,5 metros de distanciamento entre pessoas.

Os municípios de Maracaibo e de San Francisco, no estado de Zúlia, a cerca de 700 quilómetros a oeste de Caracas, e as localidades fronteiriças com a Colômbia e o Brasil, onde vigora o recolher obrigatório, foram excluídos deste modelo de flexibilização.

A Venezuela registou oficialmente 14 mortes e 1.459 casos da covid-19, com 302 pessoas curadas da doença.

Desde 13 de março que o estado de alerta está em vigor no país, o que permite ao executivo decretar “decisões drásticas” para combater a pandemia.

O Governo venezuelano restringiu voos nacionais e internacionais e a população está em quarentena e impedida de circular livremente entre os vários estados do país, desde 16 de março passado.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 366 mil mortos e infetou mais de seis milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Para combater a pandemia, os governos mandaram para casa 4,5 mil milhões de pessoas (mais de metade da população do planeta), paralisando setores inteiros da economia mundial, num “grande confinamento” que vários países já começaram a aliviar face à diminuição dos novos contágios.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

IPG acolhe polo do Centro de Envelhecimento Ativo

O Instituto Politécnico da Guarda (IPG) vai acolher um polo do Centro de Competências de Envelhecimento Ativo, que irá desenvolver atividades para criar melhores condições de vida aos idosos da região.

UC integra estudo mundial sobre aumento da obesidade

Mais de um bilião de pessoas vivem atualmente com obesidade no mundo, segundo um estudo internacional em que participaram investigadores da Universidade de Coimbra (UC), divulgou a instituição.

Quinze ULS terão equipas dedicadas na área da Saúde Mental

Os primeiros Centros de Responsabilidade Integrados dedicados à Saúde Mental vão arrancar em 15 Unidades Locais de Saúde, numa primeira fase em projeto-piloto e durante 10 meses, segundo uma portaria publicada em Diário da República.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights