Mário André Macedo Enfermeiro Especialista em Saúde Infantil

Crianças e Covid-19

06/01/2020

[xyz-ips snippet=”Excerpto”]

Crianças e Covid-19

01/06/2020 | Opinião | 0 comments

Este é um dia da criança diferente do habitual. Grande parte das nossas crianças não regressaram às aulas para o terceiro período, as creches ficaram quase 3 meses encerradas e as atividades extracurriculares foram suspensas. O confinamento social imposto pela resposta à pandemia, criou uma situação que em janeiro seria totalmente imprevisível.

Vários pais abordam-me com as suas legitimas dúvidas sobre o impacto que o Covid-19 poderá ter nos seus filhos.

Dado o desconhecimento e novidade da doença, aliado à dificuldade em aceder a fontes fidedignas, é natural o receio sentido pelos pais.
Felizmente, na idade pediátrica, esta doença é maioritariamente benigna. As crianças são um grupo minoritário de todos os casos conhecidos. Em Portugal, a idade dos 0-9 anos corresponde apenas a 2,11% dos casos conhecidos.

Por sua vez, a totalidade da idade pediátrica é responsável por 5,5% dos casos. Estes dados são sobreponíveis a várias experiências internacionais. A razão para este diminuto peso relativo das crianças explica-se por duas dimensões complementares: i) por um lado as crianças possuem menos recetores onde o vírus se aloja e desencadeia a infeção, logo, tem menor probabilidade de contrair a doença; ii) por outro lado, tratando-se de um teste doloroso, conjugado com um curso natural da doença normalmente sem complicações, não há uma estratégia de testagem tão agressiva como noutras camadas etárias.

A maioria dos casos pediátricos têm a sua origem em focos de transmissão familiares. Este dado pode ter várias leituras, se por um lado com o encerramento de escolas é natural que o principal foco de contágio seja em casa, por outro lado, sugere que para a criança se infetar, é necessária uma maior exposição ao vírus.

Reveste-se de enorme importância, na forma como planeamos o desconfinamento, obter a resposta à seguinte questão: sabendo que as crianças não desenvolvem doença grave e têm uma menor probabilidade de ser infetadas, poderão, no entanto, ser vetores de transmissão a populações mais vulneráveis?

O papel das crianças na transmissão do Sars-Cov-2 não é claro. Alguns estudos franceses sugerem que o papel das crianças será mínimo, talvez por desenvolverem menores cargas virais. São necessários mais estudos para validar esta hipótese, a confirmar-se, trata-se de ótimas noticias, que irá permitir abrir creches com maior segurança. Mais importante, irá permitir aos pais deixar os seus filhos com confiança, diminuindo o seu absentismo e aumentado a produtividade da nossa economia, dimensão essencial nos tempos que se avizinham.

Agora que os serviços de saúde regressam ao normal, é urgente regularizar a situação vacinal, assim como as consultas de vigilância de saúde infantil com os enfermeiros e médicos de família. Recuperar a cobertura vacinal é um dos objetivos prioritários de curto prazo. A reemergência de doenças como o sarampo é uma realidade que conhecemos bastante bem, não podemos correr o risco de abrir uma nova frente de preocupação na saúde pública.

Pais, contactem o vosso enfermeiro de família, agendem com segurança uma consulta de vigilância e atualizem o estado vacinal dos vossos filhos. Trata-se de uma medida simples que salva vidas!

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

IPG acolhe polo do Centro de Envelhecimento Ativo

O Instituto Politécnico da Guarda (IPG) vai acolher um polo do Centro de Competências de Envelhecimento Ativo, que irá desenvolver atividades para criar melhores condições de vida aos idosos da região.

UC integra estudo mundial sobre aumento da obesidade

Mais de um bilião de pessoas vivem atualmente com obesidade no mundo, segundo um estudo internacional em que participaram investigadores da Universidade de Coimbra (UC), divulgou a instituição.

Quinze ULS terão equipas dedicadas na área da Saúde Mental

Os primeiros Centros de Responsabilidade Integrados dedicados à Saúde Mental vão arrancar em 15 Unidades Locais de Saúde, numa primeira fase em projeto-piloto e durante 10 meses, segundo uma portaria publicada em Diário da República.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights