Ordem diz que “é seguro” utentes voltarem ao Hospital de Ovar

1 de Junho 2020

A Ordem dos Médicos do Centro apelou hoje a que os utentes que deixaram de procurar o Hospital de Ovar por recearem o contágio por covid-19 voltem a recorrer aos seus serviços porque esse equipamento "é completamente seguro".

Foi essa a garantia do presidente de Secção Regional do Centro, Carlos Cortes, após uma visita ao Hospital Francisco Zagalo e à sua enfermaria de campanha na Arena Dolce Vita de Ovar, concelho do distrito de Aveiro que entre 17 de março e 17 de abril esteve em estado de calamidade pública devido ao vírus SARS-CoV-2 e sujeito a cerco sanitário com controlo de fronteiras e suspensão da maior parte da sua atividade económica.

Reconhecendo que parte da população deixou de procurar esses e outros hospitais do país durante a pandemia devido ao “estigma” associado à covid-19, Carlos Cortes afirmou: “No presente, o Hospital de Ovar é completamente seguro e, como tivemos utentes que estiveram dois meses sem ir às consultas, sem ser operados e sem fazer o diagnóstico das doenças de que são portadores, o que as pessoas têm que fazer agora é voltar aos centros de saúde e aos hospitais”.

Nesse sentido, o mesmo responsável insiste: “As pessoas não podem ter receio de voltar ao Hospital de Ovar”.

Médica no Hospital Francisco Zagalo e vereadora na câmara municipal em regime de não-permanência, Júlia Oliveira atribui essa segurança às medidas profiláticas implementadas na unidade-sede e também na estrutura de campanha e realça que, desde a ativação do plano de contingência anti-covid na primeira dessas estruturas, “nenhum profissional de saúde ficou doente” – nem na casa-mãe, nem na enfermaria criada na arena que habitualmente acolhe os jogos da Ovarense Basquetebol.

Quanto ao total de utentes internados com o SARS-CoV-2, no hospital-sede estiveram 51 e na unidade de campanha 25, sendo que esse espaço temporário nunca acolheu mais do que “13 em simultâneo”.

O presidente do conselho diretivo do Hospital Francisco Zagalo, Luís Miguel Ferreira, referiu que, para atendimento desses e outros doentes, houve que contratar a título excecional “cerca de 50 profissionais” de diversas categorias, por via própria ou através do programa de contratação especial aberto pelo Governo – num reforço complementado por seis enfermeiros cedidos pelo Agrupamento de Centros de Saúde do Baixo Vouga e 22 assistentes operacionais recrutados pela autarquia.

Considerando que o hospital de campanha será desmantelado esta sexta-feira, mas a previsão inicial era que se mantivesse operacional até fim de junho, os enfermeiros recrutados a prazo pelo Francisco Zagalo manter-se-ão em funções na unidade-sede até final dos respetivos contratos de quatro meses e os 15 médicos que reforçaram a equipa durante a pandemia cessarão funções mais rapidamente, uma vez que “optaram por contratos de prestação de serviços”.

Os custos de toda essa operação ainda estão a ser apurados, até porque, como notou Luís Miguel Ferreira, há contratos que, devido à desmontagem da enfermaria provisória antes da data inicialmente prevista, estão agora a ser renegociados com fornecedores de serviços como lavandaria e recolha de resíduos.

Já no que se refere à parte suportada pela Câmara Municipal de Ovar, o que envolve os custos operacionais do hospital de campanha e algum do seu equipamento clínico, o presidente da autarquia, Salvador Malheiro, diz que também lhe “falta aferir o valor das despesas correntes” com recursos como gás, eletricidade, etc., mas estima que os gastos sejam “na ordem dos 100.000 euros”.

Entre o equipamento adquirido por ambas as entidades incluem-se camas articuladas, camas normais, monitores eletrocardiográficos e outros recursos que agora ficarão à guarda dos respetivos proprietários. O material adquirido pelo Hospital Francisco Zagalo será assim reafecto à casa-mãe, enquanto aquele que foi comprado pela autarquia ficará durante algum tempo “em reserva, na retaguarda”, para voltar a ser utilizado em caso de “necessidade de reativação rápida do hospital de campanha” – no contexto de uma segunda ou até terceira vaga da doença.

Uma vez superados todos os riscos de saúde pública associados à pandemia, Salvador Malheiro propõe-se então distribuir esse equipamento “em princípio por unidades de saúde” do concelho, mediante uma avaliação de necessidades a realizar posteriormente.

O novo coronavírus responsável pela presente pandemia de covid-19 foi detetado na China em dezembro de 2019 e já infetou mais de 6,1 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais mais de 372.000 morreram. Ainda nesse universo de doentes, mais de 2,5 milhões foram já dados como recuperados.

Em Portugal, onde os primeiros casos confirmados se registaram a 02 de março, o último balanço da Direção-Geral da Saúde (DGS) indicava 1.424 óbitos entre 32.700 infeções confirmadas. Desses doentes, 471 estão internados em hospitais, 19.552 já recuperaram e os restantes convalescem em casa ou noutras instituições.

Concretamente no município de Ovar, o último boletim da autarquia registava um total acumulado de 40 óbitos e 716 infetados com o SARS-CoV-2 entre os seus 55.400 habitantes. Os recuperados eram 652 e com sintomas ativos estavam “cerca de 20 pessoas”.

Hoje de manhã, a DGS ainda atribuía ao mesmo território de 148 quilómetros quadrados apenas 662 casos de covid-19.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

IPG acolhe polo do Centro de Envelhecimento Ativo

O Instituto Politécnico da Guarda (IPG) vai acolher um polo do Centro de Competências de Envelhecimento Ativo, que irá desenvolver atividades para criar melhores condições de vida aos idosos da região.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights