Estudo genético revela semelhanças e diferenças entre os vírus da Covid-19 e da SARS

3 de Junho 2020

Os investigadores identificaram segmentos específicos dos códigos genéticos dos vírus da Covid-19 e da SARS que podem promover o seu ciclo de vida.

“A pandemia atual é muito grave e queremos contribuir para a aceleração global da investigação com coronavírus. A nossa pesquisa inclui muitos tipos de vírus, mas decidimos concentrar-nos nos resultados dos coronavírus”, referiu Nobuyoshi Akimitsu, líder da equipa de investigação que realizou o trabalho e também especialista no domínio da resistência das células ao stress, do “Isotope Science Center” da Universidade de Tóquio.

Muitas famílias de vírus – incluindo o vírus “influenza” e os coronavírus – armazenam a sua sequência genética como RNA, que penetra nas células humanas e as “engana” para, dessa forma, produzir mais vírus. Os vírus precisam que o seu RNA permaneça estável e resista aos esforços do sistema imunológico do hospedeiro para o degradar.

A equipa de investigação designou a sua técnica como “Fate-seq”, na medida em que tem o objetivo de determinar o “destino” de uma sequência genética, ou seja, se persistirá ou se degradará com base na sua estabilidade.

“A técnica Fate-seq é uma ideia muito simples. Combinamos as tecnologias existentes de uma forma inovadora”, explicou Akimitsu.

Para realizar o “Fate-seq”, os investigadores fragmentaram um genoma em segmentos curtos. Mesmo os agentes patogénicos extremamente perigosos tornam-se inofensivos quando os especialistas trabalham apenas com fragmentos curtos e separados de seus genomas.

Os investigadores sintetizaram RNA a partir de fragmentos de genomas de vírus e examinaram a sua estabilidade, utilizando um modelo de sequenciação que permite identificar, rapidamente e em simultâneo, a sequência exata das cadeias individuais de RNA. Os programas de computador podem identificar padrões ou diferenças interessantes nas sequências genéticas para as estudar com mais detalhe.

O estudo abrangeu 11.848 sequências de RNA de 26 genomas de vírus, incluindo o SARS-CoV, responsável pela SARS, a síndrome respiratória aguda que matou 774 pessoas no primeiro semestre de 2003. Os investigadores identificaram um total de 625 fragmentos estáveis de RNA; 21 pertenciam ao SARS-CoV.

Os especialistas compararam os 21 fragmentos estáveis do genoma do SARS-CoV com os dados completos da sequência genética de outros tipos de coronavírus. Dois dos fragmentos estáveis do SARS-CoV são muito comuns noutros coronavírus evolutivamente semelhantes, incluindo o vírus que causa a Covid-19, o SARS-CoV-2.

Modelos preditivos mostraram que esses dois fragmentos de RNA estáveis formam estruturas de haste e ansa, pequenos segmentos de RNA que, em vez de permanecerem em linha reta, dobram-se e ligam-se a si próprios, formando um gancho.

O mais notável é que um dos fragmentos estáveis apenas forma uma estrutura de haste e ansa no vírus da Covid-19 e não no vírus da SARS, devido às poucas mas importantes diferenças nos códigos de RNA dos vírus.

“A estrutura de haste e ansa desse fragmento genético do SARS-CoV-2 é muito estável em modelos de computador. Pensamos que essa estrutura possa melhorar a sobrevivência do vírus”, admitiu Akimitsu.

Além de entender melhor o perigo que estes vírus representam, os investigadores esperam usar o “Fate-seq” para entender as regras fundamentais da estabilidade do RNA e desenvolver novos tipos de medicamentos.

Esta investigação foi realizada por colaboradores da Universidade de Tsukuba, e a revisão da sua publicação na “Biochemical and Biophysical Research Communications” foi efetuada por especialistas da mesma área.

Ver artigo original Aqui

NR/HN/Adelaide Oliveira

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Investigadores conseguem mapear comunicação do cancro do pâncreas

Investigadores do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (i3S) da Universidade do Porto conseguiram, através de um “espião colorido”, mapear a comunicação do cancro do pâncreas, abrindo portas para novas terapias, foi esta quinta-feira anunciado.

Estudo propõe critérios para atualização periódica do pagamento da hemodiálise

O estudo “Preço compreensivo da hemodiálise em Portugal”, do especialista em economia da saúde Eduardo Costa, conclui que a introdução de um modelo dinâmico de preço compreensivo e a eventual revisão do modelo de gestão integrada da doença renal crónica serão instrumentos cruciais para garantir a continuidade da excelência dos cuidados de hemodiálise.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights