Imunidade de grupo causaria demasiados mortos

4 de Junho 2020

O médico chinês Chunming Yan, radicado em Portugal há 15 anos, considera que nenhum país consegue suportar o custo social de “milhares de mortos” para atingir a imunidade de grupo face ao novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19.

“Quando nós falamos de imunidade de grupo nenhum país consegue suportar o resultado”, afirmou, em entrevista à Lusa, Chunming Yan.

Com uma taxa de letalidade de “sete por cento” entre os infetados e num contexto em que a imunidade de grupo só se atinge quando “60 ou 70 por cento das pessoas” tiverem contacto com a doença, isso significaria, só no caso de Portugal, mais de uma centena de milhar de mortos, disse o médico, licenciado em medicina integrada na China, que inclui ciência ocidental e práticas tradicionais.

A melhor solução, defendeu, é manter restrições para diminuir e controlar a presença do vírus, até porque a esperança que seja encontrada uma vacina pode não se concretizar. O coronavírus responsável pelo SARS surgiu em 2003 e até hoje ainda não foi descoberta qualquer vacina, recordou Chunming Yan.

“Temos a esperança de se conseguir obter em breve a primeira vacina” para a covid-19 e só depois será possível o regresso total à normalidade.

A viver em Portugal há 15 anos, Chunming Yan nunca se sentiu discriminado por causa da pandemia ou do discurso que associa a doença ao “vírus da China”.

“O povo português é um povo muito diferente de outros países europeu” e “não tem a opinião de discriminar outros imigrantes”, disse, salientando que nunca sentiu qualquer tipo de racismo ou atitudes xenófobas por parte dos portugueses.

Pai de dois filhos, nascidos em Portugal, e casado com uma portuguesa, o médico chinês, que vive em Cantanhede, espera que as escolas e o sistema de ensino cumpram as “regras da Direção Geral da Saúde” para acolher as crianças.

“As escolas devem cumprir bem as regras” perante o risco de “novas contaminações” por parte dos alunos, avisou.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 382 mil mortos e infetou mais de 6,4 milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Mais de 2,7 milhões de doentes foram considerados curados.

Em Portugal, morreram 1.447 pessoas das 33.261 confirmadas como infetadas, e há 20.079 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

IPG acolhe polo do Centro de Envelhecimento Ativo

O Instituto Politécnico da Guarda (IPG) vai acolher um polo do Centro de Competências de Envelhecimento Ativo, que irá desenvolver atividades para criar melhores condições de vida aos idosos da região.

UC integra estudo mundial sobre aumento da obesidade

Mais de um bilião de pessoas vivem atualmente com obesidade no mundo, segundo um estudo internacional em que participaram investigadores da Universidade de Coimbra (UC), divulgou a instituição.

Quinze ULS terão equipas dedicadas na área da Saúde Mental

Os primeiros Centros de Responsabilidade Integrados dedicados à Saúde Mental vão arrancar em 15 Unidades Locais de Saúde, numa primeira fase em projeto-piloto e durante 10 meses, segundo uma portaria publicada em Diário da República.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights